Pesquisa revela um novo olhar do brasileiro sobre a democratização das marcas

1 22

Marca democrática não é sinônimo de marca acessível. Para compreender a visão dos consumidores sobre essa democratização e a percepção com relação às empresas mais democráticas do país, André Torretta, presidente da consultoria A Ponte Estratégia, apresentou durante o Congresso Nacional das Relações Empresa-Cliente – CONAREC 2016, dados inéditos do estudo ‘Marcas Mais Democráticas’.

A pesquisa, realizada com oito grupos qualitativos – quatro de classes A e B, quatro de classes C e D –, além de entrevistas com 1.200 consumidores, de 25 e 45 anos de idade, entre fevereiro e abril de 2016, utilizou critérios – selecionados pelos próprios consumidores – para classificar uma marca ou empresa como, realmente, democrática.

Tais critérios foram: se o produto precisa ter ligação com o consumidor; ser acessível, promover ações sociais; ter preço e qualidade; ser coerente; apresentar praticidade; promover ações promocionais; oferecer boa logística; ter boa comunicação e estar comunicando em todo lugar.

Os principais resultados* apontam que:

  • 77% deve ter produtos em muitas lojas
  • 76% deve entender em que momento de vida o consumidor está passando
  • 82% deve apoiar a cultura popular
  • 73% precisa contribuir para o crescimento do país (se possui trabalhos sociais, é uma empresa ética, com produtos sustentáveis, etc).
  • 79% precisa ser verdadeira
  • 84% precisa ter respeito pelos consumidores
  • 76% precisa ser amiga (estar próxima e ter uma atitude de parceria com a comunidade)
  • 95% tenha uma boa comunicação
  • 94% deve ser acessível para todo mundo
  • 82% deva fazer ações promocionais
  • 68% deva realizar algum tipo de ação social
  • 67% deva “falar” como todo mundo “fala”.
  • 51% deve se parecer com ela (o consumidor)

*Não é um ranking, trata-se de respostas “sim” e “não” para cada critério.

Quando perguntados sobre as empresas mais democráticas do Brasil, os resultados foram (por segmento): Avon; Bombril; C&A; Casas Bahia; Cerveja Antárctica; Coca-Cola; Fiat; Havaianas; Hering; McDonald’s; Natura; Nestlé; Nike; O Boticário; Omo; P&G; Renner; Riachuelo; Samsung; Skol.

“Ser democrática é estar disponível para todos os consumidores. E as empresas estão incorporando esse princípio. Nos últimos quinze anos, as marcas mudaram a postura e a forma de interagir com o seu público. Há exemplos incríveis de estratégias muito bem desenhadas nesse sentido. Ser democrático é fundamental”, afirma André Torretta. “Isso é reflexo da mudança de comportamento de consumo, sobretudo desta nova geração, os millenials”, destaca Roberto Meir, especialista internacional em varejo e consumo.

FONTES DA PESQUISA:

  • André Torretta, presidente da consultoria A Ponte Estratégia
  • Roberto Meir, analista de mercado, especialista internacional em varejo e consumo.
Notícias Relacionadas
1 comentário
  1. Eud de Moraes diz

    Vamos direto no assunto? Chega de mimimi para vender assunto.

    O negócio é preço + qualidade. Certo? Ninguém deixaria de comprar se houvesse essa fórmula.

    O resto é muito trabalho para se expandir.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.