Dois terços dos brasileiros querem usar Pix para compras no varejo

0 777

Uma pesquisa realizada pelo C6 Bank e pelo Inteligência em Pesquisa e Consultoria (Ipec) aponta que 67% dos brasileiros querem usar o Pix para pagar compras no varejo. A disposição para adotar essa modalidade de pagamento em estabelecimentos comerciais é superior na faixa mais jovem entrevistada, que tem entre 16 e 24 anos. Nesse grupo, o número de pessoas que quer usar o sistema é quase seis vezes maior que o que não quer adotar.

A resistência à novidade aumenta conforme a idade. Na população com mais de 55 anos, por exemplo, essa relação é de dois para um – ou seja, para cada duas pessoas, uma não quer pagar contas com Pix no varejo.

A pesquisa do C6 Bank também revela que o índice de aceitação é maior nas regiões Norte/Centro-Oeste e nas cidades com até 500 mil habitantes. As entrevistas foram feitas entre os dias 22 e 28 de abril deste ano com 2 mil brasileiros com acesso à internet no País todo. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

O Pix entrou em operação em 16 de novembro de 2020. Segundo o Banco Central, o número de transações de pessoas físicas para pessoas jurídicas cresceu 148% no primeiro trimestre deste ano, passando de 14,1 milhões, em janeiro, para 35 milhões em março. Atualmente, enquanto 77% das operações ocorrem entre pessoas, só 11% envolvem transferências de pessoas para empresas.

A pesquisa também apontou que o Pix já é considerado por 83% dos brasileiros melhor do que DOC e TED, transações bancárias tradicionais que tendem a ser substituídas pelo sistema criado pelo Banco Central.

Em novembro do ano passado, logo que o Pix foi lançado, uma pesquisa semelhante realizada pelo C6 Bank mostrava que 60% dos brasileiros já consideravam a novidade melhor do que TED e DOC. De lá para cá, o novo sistema de pagamentos ultrapassou os 87 milhões de usuários cadastrados, entre pessoas físicas e jurídicas.

Pix Saque e Pix Troco

Nesta semana, o Banco Central abriu uma consulta pública para receber sugestões sobre dois novos serviços relacionados ao sistema de pagamentos instantâneos da instituição: o Pix Saque e o Pix Troco.

Com o Pix Saque, o consumidor poderá transferir o valor que deseja sacar para a conta de uma loja e retirar o valor em dinheiro. Com o Pix Troco, o consumidor poderá pagar uma compra via Pix com valor superior ao da mercadoria ou do serviço e receber a diferença em espécie.

O BC propõe um limite de saque de R$ 500 por dia, com quatro retiradas por mês sem tarifas para os dois serviços. As instituições financeiras poderão tarifar os saques subsequentes.

 

Notícias Relacionadas
Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.