Totvs – 728 x 90

Vendas reais de supermercados sobem 2,3% no 1º tri, melhor resultado desde 2013

0 2.456

As vendas de supermercados do Brasil em março subiram 12,12 por cento em termos reais ante igual mês de 2017, acumulando no primeiro trimestre um crescimento de 2,28 por cento, o melhor resultado para o período desde 2013, afirmou nesta segunda-feira a associação que representa o setor, Abras. “O bom resultado apresentado em março foi decorrente das vendas do período de Páscoa, segunda data mais importante para o setor”, afirmou em nota o presidente da Abras, João Sanzovo Neto.

Na comparação com fevereiro, o setor supermercadista vendeu 17,2 por cento mais em base deflacionada em março, que contou com três dias a mais que o mês anterior. Ainda segundo o levantamento, todas as regiões brasileiras apresentaram queda nos preços mensalmente, sendo o Nordeste a que teve maior variação negativa (-1,32 por cento), seguida pelo Sul (-1,29 por cento), Sudeste (-0,93 por cento), Norte (-0,61 por cento) e Centro-Oeste (-0,41 por cento).

A pesquisa da Abras ainda apontou que farinha de mandioca, leite longa vida, ovo e mussarela foram os produtos da cesta de compras dos consumidores com maior elevação de preço em março, enquanto tomate, feijão, batata e cebola registraram as maiores quedas. Em valores nominais, as vendas de supermercados em março aumentaram 15,1 por cento ano a ano e 17,3 por cento sobre fevereiro. No primeiro trimestre, o crescimento nominal foi de 5,7 por cento.

Apesar do efeito calendário de Páscoa, em 2017 a data caiu na segunda quinzena de abril, o presidente da Abras avalia que o resultado do primeiro trimestre pode ser visto como sinal de recuperação do setor. “Nos mostra que, mesmo lentamente, as pessoas estão voltando a consumir”, disse Sanzovo.

Os dados foram divulgados alguns dias depois que as principais companhias supermercadistas do país, GPA e Carrefour Brasil, divulgaram crescimentos de 7,6 e 6 por cento na receita bruta do primeiro trimestre ante o mesmo período do ano passado, apesar do contínuo peso da deflação dos alimentos sobre suas operações no país.

Fonte DCI
Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.