Sete lições da maior feira de varejo do mundo

0 342

A NRF Retail’s Big Show 2020 (National Retail Federation), maior feira de varejo do mundo, que iniciou no último sábado e encerrou na quarta-feira, em Nova Iorque, mostra o que existe de mais moderno no varejo mundial e o que contribui para melhorar a experiência de compra oferecida ao consumidor.

O Sebrae RS, em parceria com Sindilojas Porto Alegre, CDL Porto Alegre, Senac e Fecomércio, levou um grupo de 20 empresários, líderes do varejo e instituições parceiras para os Estados Unidos. A NRF conta com os maiores players e executivos do mercado para debater e apresentar as tendências para o setor. Em quatro dias, o evento reuniu mais de 38 mil pessoas, vindas de 99 países.

O coordenador estadual de projetos de varejo no Sebrae RS, Fabiano Zortéa, que está em Nova Iorque, elencou as sete principais lições da feira.

1) Empoderamento dos colaboradores

As empresas crescem em faturamento quando empoderam o colaborador, participam de decisão estratégica e autonomia para decidir, se sentem mais reconhecidos e importantes para a empresa.

2) Diversificação

As marcas precisam ter opções diversificadas e que se relacionem entre si e façam sentido para o perfil de público. A parceria entre outras marcas precisa ser natural.

3) Desaceleração

Em um mundo onde as pessoas trabalham muito e têm pouco tempo livre, o varejo precisa simplificar as jornadas de compra. Assim, o cliente pode sair dessa rotina agitada e conseguir facilmente comprar o seu produto.

4) Data Driven (orientação por dados)

O varejo precisa fazer novas descobertas sobre os seus clientes. As preocupações da sociedade, por exemplo, podem ser um aliado para conquistar novos clientes. Se a marca contribui para a redução do aquecimento global, ela pode se tornar relevante para todas as pessoas que se preocupam com essa causa.

5) Aumentar o fluxo na loja física

Fazer varejo da mesma forma manterá a redução de clientes nas lojas. Parceria e compartilhamento com outras marcas pode ser uma alternativa para contornar esse cenário. Amazon Returns é um exemplo deste tipo de parceria entre a Amazon e a Kohl’s.

6) Crescimento do Social Commerce

Trata-se de uma evolução do boca a boca no ambiente online em que o varejista retribui, em forma de presentes ou descontos, aqueles clientes que falam bem da empresa e convertem isso em vendas.

7) Senso de comunidade

O varejo precisa ter mais atenção de como está o seu entorno, quais as necessidades do seu bairro, das pessoas que o empresário quer atingir. A americana Rent the Runway faz assinaturas de roupas mensais sem precisar comprar. Com base na reclamação dos clientes sobre não gostarem de fazer as malas quando vão viajar, a empresa criou um serviço, em parceria com um hotel, que abastece o closet do quarto com roupas para aquele determinado período.

 

Fonte Jornal do comércio
Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.