Rede Tonin investe no digital pra crescer

0 558

Por Adriana Bruno

A empresa que começou em 1956 como uma panificadora, em São Sebastião do Paraíso – MG, é hoje uma das maiores redes do interior de São Paulo e Minas Gerais e conta com 18 lojas, mais de dois mil colaboradores e 12 mil SKU’s.

Com 63 anos de mercado, o Tonin passou e acompanhou muitas transformações no mercado varejista e também no atacadista e sabe que para se manter competitiva precisa investir e se modernizar. E é por isso que desde 2018 está implantando um processo de transformação digital na empresa. “Neste programa desenvolvemos o CRM do TONIN, bastante ativo ele é a base para buscarmos e criarmos relacionamento com

Luiz Tonin, presidente da Rede Tonin

nossos clientes. Além disto, estamos trabalhando para tornar nossas lojas mais preparadas para proporcionar a experiência de compra do consumidor cada vez mais agradável, rápida, moderna”, comenta Luiz Antonio Tonin, presidente da Rede Tonin, em entrevista ao Portal Newtrade. Segundo ele, o e-commerce é uma das ferramentas de evolução, mas que no setor de alimentos ainda representa grandes desafios.

Para 2019, Tonin revela que a empresa passará por algumas transformações. “Iremos remodelar lojas e também estamos investindo em inteligência artificial, melhoria de processos e meios de pagamentos, além de investimentos e uma grande aposta nas mídias digitais”, revela. Para Tonin, essa é uma forma de explorar novas formas de comunicação com o cliente, buscando, inclusive, alcançar novos públicos. “Estamos utilizando ferramentas de alcance de público, explorando cada vez mais esse potencial”, comenta.

Atacarejo

Com as lojas de atacarejo figurando de forma cada vez mais presente na preferência entre os canais de compras do brasileiro, Tonin acredita que elas não são uma ameaça ao varejo tradicional, pelo contrário, vêm suprir a necessidade de mix e de tempo de reposição dos varejistas, transformadores, além de atender os consumidores que buscam economia em suas compras. “O atacarejo não é uma ameaça ao varejo tradicional, ao contrário, ele fortalece os varejos de bairro e especializados suprindo com mais variedade e rapidez. Os consumidores dos atacarejos são geralmente famílias com maior número de pessoas que buscam economia nas suas compras de volume e para os varejos, principalmente de proximidade a conveniência e serviços sãos os grandes diferenciais”, finaliza.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.