Os principais tipos de rupturas do varejo

0 250

Por André Faria*

Um dos grandes inimigos dos varejistas é, com certeza, a ruptura. Afinal, ela impacta diretamente na lucratividade, reduzindo suas vendas e, o pior, impacta de maneira negativa a imagem das lojas, uma vez que o consumidor poderá procurar o seu concorrente quando for comprar novamente.

Por isso o varejista precisa sempre conhecer quais são os tipos mais incidentes de ruptura e saber como se prevenir. Para termos uma ideia, de acordo com a Pesquisa de Perdas no Varejo Brasileiro de 2019, os supermercados tiveram 6,1% de índice de ruptura comercial e, 6,7% de ruptura operacional. Além disso, segundo o estudo de Ruptura do Estoque, realizado pela Neogrid, o índice estava em 12,1% em julho.

Ou seja, é cada vez mais necessário que o varejista invista em boas práticas para evitar as rupturas e diminuir esse índice em suas lojas. E, também é necessário que se conheça quais são os principais tipos de rupturas existentes no varejo.

A ruptura comercial acontece quando a mercadoria não está disponível nas gôndolas e nem no estoque. Ela normalmente ocorre por alguma falha da sua área de compras ou do seu fornecedor, que acabou atrasando a entrega. Ou seja, não compramos determinado produto na hora correta.

Para contornar esse tipo de ruptura, contar com a tecnologia é essencial, afinal, com um ERP, você consegue, por exemplo, monitorar os níveis de estoque de uma mercadoria e sua disponibilidade na gôndola. Assim, você monitora sempre seus índices de mercadoria e evita esse tipo de ruptura em sua loja.

A ruptura operacional acontece quando um produto está em seu estoque, mas não nas prateleiras. Um exemplo disso é quando deixamos um lote de iogurte, por exemplo, vencer em nosso estoque. Isso acarreta uma perda muito grande para o rendimento do varejo. Se o produto não está nas prateleiras, o consumidor não leva, muitas vezes o produto está em estoque, mas apenas depósito, ou no CD.

Todos somos compradores, então pense um pouco. Se todo mês ao buscar um produto você não o encontra, o caminho natural é trocar de marca ou de loja. Não concorda? As causas mais comuns de rupturas no estoque, são o atraso na entrega de mercadorias, furtos (internos ou externos), falta de organização, como ter o produto no estoque e não expor nas prateleiras, falhas de gestão da empresa (cadastros errados, erros nos pedidos de compra, mau armazenamento, falta de controle de lotes / datas de validades e outros) e a falta de acompanhamento das vendas (sazonalidades e promoções).

Ou seja, os problemas da ruptura comercial são, em grande parte, causados por falhas em sua logística. Por isso, fique sempre atento na logística do seu varejo. Afinal, como aponta a pesquisa da Abrappe, as rupturas operacionais foram responsáveis por 6,7% das perdas no varejo.

Mas, de que adianta você conhecer as principais causas de rupturas, se você não consegue evitá-las em sua loja, não é mesmo? Por isso também apresento algumas maneiras de prevenir as rupturas em sua loja.

André Faria é CEO da Bluesoft

Realizar a auditoria de presença com o coletor de dados: Realizar o controle eletronicamente facilita muito na contabilização dos seus produtos e, disponibilizar alguns colaboradores para fazer essa auditoria com o coletor de dados, é parte importante para evitar as rupturas em sua loja.

Para que isso seja mais efetivo, tenha mapeado em seu ERP, a sua loja. Assim, essa auditoria é realizada de maneira rápida, organizada e integrada, apenas com o escaneamento de uma unidade de cada produto.

Ao final desse processo, você consegue saber, por exemplo, quais produtos estão com nível baixo de estoque, quais estão próximos do vencimento e quais estão em falta nas gôndolas.

Invista na gestão de estoque: Uma boa gestão de estoque passa por saber exatamente onde cada produto está localizado, além de gerenciar lotes e datas de validade. Assim, o varejista não perde vendas por não encontrá-lo, ou mesmo não poder comercializar aqueles em seu estoque.

Realize o inventário de estoque periodicamente: Com o inventário de estoque realizado periodicamente, é possível reduzir a lacuna entre o estoque e o controle do mesmo. Essa é uma atividade trabalhosa, mas não se preocupe, pois existem diversas tecnologias que podem auxiliá-lo, como o ERP e o próprio coletor de dados que citei acima.

Realize a gestão de compras alinhada ao seu estoque: Uma das partes mais importantes de se fazer a gestão de compras é estar alinhado ao seu estoque. Dessa forma, você consegue comprar o suficiente para evitar ruptura e também não gerar estoque ocioso.

Colete dados para realizar compras mais efetivas: Acompanhar as vendas das lojas é fundamental para evitar quebras de estoque. Com uma boa previsão de demanda é possível antecipar o padrão das vendas e assim fazer pedidos de compras assertivos. E, lembre-se sempre de que de nada adianta coletar os dados se não há ninguém que os interprete e faça o melhor uso dessas informações.

Selecione os melhores fornecedores: Com uma boa seleção de fornecedores, é possível mitigar problemas, como atrasos na entrega, qualidade da mercadoria (evitando receber produtos danificados na entrega) e outros. E não deixe de investir em novas tecnologias para auxiliá-lo no controle das suas lojas. Elas o ajudam a acompanhar de maneira mais precisa como andam as rupturas em seu supermercado, não é mesmo?

Por isso, não descuide dos processos que afetam o suprimento de produtos no estoque. Confie em ferramentas que ajudam nesse controle e alie o trabalho delas, com seus colaboradores treinados para utilizarem da melhor maneira essas tecnologias. Dessa forma, você consegue diminuir bastante o índice de rupturas em suas lojas. E boas vendas!!!

 

*André Faria É CEO na Bluesoft, mentor da Liga Ventures, investidor na Wow Aceleradora e colunista do NEWTRADE. 

 

 

 

 

 

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.