Google permite retirada de produtos na porta de lojas

0 108

Entrega por motoboy, drive-thru ou retirada em loja. Na quarentena imposta pela pandemia do novo coronavírus, empresas buscam maneiras de manter as vendas e entregas. O Google acaba de lançar uma nova ferramenta que permite ao varejista indicar produtos com opção de retirada na porta da loja, mas sem necessidade de entrar no local.

O objetivo é ajudar a conectar consumidores com os produtos que eles têm urgência em receber e, ao mesmo tempo, promover opções de atendimento mais seguras. A ferramenta do Google Shopping mostra os produtos em estoque de uma determinada loja física.

De acordo com o Google, as pesquisas por “estoque” cresceram mais de 70% em todo o mundo entre a semana de 28 de março e 4 de abril, já que consumidores procuravam formas de receber suas compras mais rapidamente.

Esse recurso está disponível nos países onde os anúncios de inventário local foram lançados, incluindo o Brasil. O selo “retirada na porta” está atualmente na versão beta e disponível para anunciantes que já fizeram a integração do selo de retirada na loja. Varejistas que quiserem incluir a opção nos seus anúncios podem demonstrar interesse através deste formulário.

A busca por esse tipo de informação, para comprar pela internet e retirar na loja ou até para ir até a loja fazer a compra, já estava em alta antes da pandemia do novo coronavírus. Na Black Friday, por exemplo, a opção de retirar na loja era relevante para quase 40% dos brasileiros, de acordo com pesquisa feita pelo Google na ocasião.

Outras empresas, como as varejistas de moda C&A e Renner, passaram a adotar a modalidade de drive-thru para compras feitas pela internet, também gerando receitas para as lojas físicas.

No início do mês, a empresa de software de gestão de varejo Linx se uniu à startup de marketplace e entregas Rappi para permitir que lojistas de shopping consigam vender mais facilmente seus produtos. Com as lojas praticamente inoperantes, já foram mais de 20 bilhões de reais perdidos durante a pandemia, segundo cálculos da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop).

Seja para economizar com frete, tornar a logística mais eficiente ou para manter as vendas mesmo durante a pandemia, varejistas buscam novas maneiras de vender e entregar os produtos aos consumidores.

Fonte Exame.com
Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.