C&A é processada por assessora

0 37

A empresa C&A Ltda. foi condenada pela Oitava Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) a pagar horas extras a uma ex-funcionária pelo tempo que ela gastava para se maquiar e trocar o uniforme. Segundo o site do Tribunal Superior do Trabalho (TST), a trabalhadora, ao ser contratada como assessora de cliente, foi informada que só poderia marcar o ponto depois de colocar o uniforme, se maquiar e cuidar dos cabelos. A mesma regra valia para a hora de ir embora. O ponto tinha de ser registrado antes de a empregada tirar o uniforme e aguardar a revista feita pelo fiscal da loja.

A C&A alegou em sua defesa que a funcionária não levava mais do que cinco minutos para se trocar na entrada e na saída. Ainda segundo a varejista, o uniforme consistia apenas em uma calça e uma camiseta polo. Já a maquiagem “era composta apenas de base, lápis de olho e batom, o que não levaria mais do que poucos minutos”.

A decisão da Oitava Turma do TST foi diferente da apresentada pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 1ª Região (RJ), que considerou indevido o pedido de horas extras. Para o TRT, não houve extrapolação do limite de dez minutos fixados no artigo 58, parágrafo 1º, da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.