Primeira entrega comercial bem sucedida com drone deixa Amazon para trás

0 279

A empresa de logística UPS se tornou oficialmente a primeira a realizar a entrega comercial de produtos via drones. O anúncio, em parceria com a companhia Matternet, foi feito na terça-feira (26).
A empresa tem como objetivo transportar remédios, amostras e outros produtos relacionados entre hospitais.

A primeira entrega bem-sucedida foi realizada nesta quarta-feira (27) no estado de Carolina do Norte, nos EUA, em uma das bases da WakeMed, que tem três hospitais e oito instalações para pacientes.

Após conversas e total colaboração com os órgãos reguladores, a UPS conseguiu as autorizações necessárias para operar esse serviço de forma comercial. “Não é uma demonstração, nem um teste”, afirmou Bala Ganesh, que representa a divisão de tecnologia da UPS, ao Business Insider.

Assim, essa foi a primeira entrega com drones totalmente operacional e que gera receita no mundo.

Na frente de muitos concorrentes

A UPS ataca um nicho estratégico: as entregas de drones atendem a uma necessidade crítica em grandes centros médicos. “Entregas médicas urgentes como transporte de órgãos ou de sangue geralmente levavam 30 minutos devido ao trânsito, mas os drones reduzem o tempo de entrega para 3 minutos”, de acordo com informações do The Hustle.

A empresa realizará pelo menos 10 entregas de drones por dia no campus da WakeMed, e poderá aumentar essa frequência no futuro.

Na prática, com esse avanço, a UPS está à frente da Amazon e muitas outras empresas, pelo menos por enquanto. Isso porque algumas companhias do mundo, como a própria varejista de Jeff Bezos, estão de olho na entrega de drones há vários anos, mas os reguladores têm sido rigorosos em relação à permissão de projetos de drones – mesmo para testes, segundo o Business Insider.

No ano passado, os reguladores concederam permissão a algumas empresas, incluindo Google, Uber, FedEx, Intel, mas impediram outras, como a Amazon.

Mas para obter sua permissão principal, a UPS trabalhou em estreita colaboração com o Departamento de Transportes dos EUA, a Administração Federal de Aviação e o Departamento de Transporte da Carolina do Norte, segundo o site.

Fonte InfoMoney
Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.