Brasil ganha nova operadora dedicada à Internet das Coisas

0 358

O Brasil tem uma nova operadora móvel virtual (MVNO, na sigla em inglês) dedicada ao mercado de Internet das Coisas. Trata-se da NLT (Next Level Telecom). Ela está conectada à rede da Vivo e segue o regime de operadora virtual autorizada, tendo equipes próprias de atendimento, projetos, engenharia, billing e pós-vendas.

A NLT promete investir R$ 50 milhões nos primeiros cinco anos de operação. Parte desse valor será destinado a desenvolvedores e integradores de soluções de IoT, assim como a instituições de pesquisa e universidades.

Conteúdo é sempre o melhor recheio do dia a dia. Leia seus assuntos preferidos e fique bem informado. Assine revistas com até 72% OFF. A MVNO nasce oferecendo conectividade em 2G, 3G e 4G para soluções de IoT, com foco principalmente nos seguintes segmentos: indústria, agricultura, cidades inteligentes, governos e saúde. A empresa pretende no futuro adotar também tecnologias como eSIM e NB-IoT.

A companhia entende que a segurança é um dos seus diferenciais. Os dados são criptografados e trafegam sem interferência humana. Há um centro de monitoramento de redes, assim como servidores e links de dados redundantes, para garantir a estabilidade do serviço.

O CEO da NLT é o executivo Adalmir Assef. A NLT pertence à holding Batista Leite, fundadora original da Link Solutions, que foi vendida para a norte-americana Transaction Network Services (TNS).

Análise

A Internet das Coisas é tida por especialistas como um dos segmentos mais promissores para MVNOs no Brasil, conforme apontado por Joaquin Molina, consultor da Altome, em recente entrevista para Mobile Time. A NLT não estará sozinha nesse jogo. Há outras operadoras virtuais com foco em IoT no País, como Vodafone Brasil e Vecto Mobile. O maior desafio será encontrar soluções que demandem a capilaridade e a velocidade de transmissão de dados das redes móveis, pois também enfrentarão a concorrência de redes com tecnologias LPWA, voltadas para baixo consumo de dados mas longa duração de bateria.

Fonte Exame.com
Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.