Brasil está pronto para salto digital, diz estudo

0 32

O brasileiro está pronto para a revolução digital, mas o País enfrenta desafios que vão de falta de infraestrutura, baixo investimento no setor de tecnologia e baixa produtividade. É o que aponta relatório feito pela Mckinsey, em parceria com o Brazil at Silicon Valley, conferência organizada por estudantes brasileiros da Universidade de Stanford com o objetivo de usar inovação e tecnologia para ajudar a aumentar a competitividade do País. O evento acontece em Mountain View, Califórnia, no Museu da História do Computador, um dos ícones do Vale do Silício.

“É o primeiro grande levantamento do setor no País. Fornece um panorama importante, que responde várias das perguntas que muitos investidores me fazem”, diz Hugo Barra, vice-presidente de realidade virtual do Facebook, e padrinho do evento. “Avançamos bastante, basta lembrar os oito unicórnios (startups avaliadas em mais de US$ 1 bilhão) que nasceram no Brasil o ano passado. Mas temos muito a fazer.”

O País tem 67% da população com acesso à internet, é o segundo que mais usa as redes sociais: fica cerca de 9 horas por dia conectado. No entanto, a velocidade média da internet, de 13 Mpbs, fica bem abaixo da média global, de 31 Mpbs.

 

Embora seja o segundo ou o terceiro maior mercado de gigantes como Facebook, Netflix e WhatsApp, o Brasil tem dificuldades para atrair operações mais robustas de gigantes do e-ecommerce, como a Amazon. “Há um problema de logística. A última milha no País, por questões de infraestrutura ou mesmo segurança, é complicada. Isso encarece a operação”, explica Nicola Calicchio, um dos responsáveis pela pesquisa.

O Brasil também tem pouca representatividade do setor de tecnologia na Bolsa. Enquanto nos Estados Unidos as cinco primeiras colocadas pertencem ao setor, o ranking brasileiro não tem nenhuma representante. Na China, as duas maiores empresas do País são gigantes da tecnologia.

A burocracia também é um entrave. O País está entre os menos favoráveis à abertura de novos negócios, na posição 109 em ranking do Banco Mundial. “Isso é muito nocivo para uma área em que falhar faz parte do negócio e é preciso virar a página rapidamente”, diz Calicchio.

O estudo mostra, porém, que as fintechs estão entre os melhores exemplos da inovação no País: passaram de 50 para 400 em três anos. Sete milhões de clientes abriram contas em bancos digitais.

 

Fonte Estadão
Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.