Pesquisa aponta que 17% dos CEOs de grandes empresas deixam cargo em até 3 anos

0 93

A rotatividade de CEOs está alta no mundo e muitas empresas são pegas no contrapé, sem um plano de sucessão definido. A percepção pode ser traduzida em números, conforme a análise feita pela consultoria Russell Reynolds Associates com dados das maiores companhias listadas em bolsa nos Estados Unidos.

Das empresas do índice S&P 500 de 2003 a 2018, 13,1% dos novos CEOs apontados nesse período saíram em menos de três anos. O porcentual é maior, de 17,2%, no caso de nomeações externas. Os dados são da pesquisa “Transições do CEO – Mitigação de riscos e acelerando a criação de valor”, obtida com exclusividade pelo Estado.

O planejamento sucessório poderia mitigar o risco de fracasso das indicações ao cargo de CEO e dirimir a potencial destruição de valor do negócio com um pedido de demissão inesperado, diz Anthony Abbatiello, chefe global da área de liderança e sucessão da Russell Reynolds. Independentemente da fonte da indicação, se interna ou externa, o consultor, que também é professor na New York University, alerta para a falta de uma solução rápida para a substituição do principal líder das grandes empresas.

“É assustador ver que mais da metade das companhias globais não tem um processo estruturado de sucessão e transição para o cargo de CEO. Toda empresa precisa ter ao menos um plano de emergência para essa questão, ser capaz de apontar com velocidade quem será provavelmente o próximo líder”, disse Abbatiello em entrevista por telefone.

Segundo ele, ambos têm riscos: no caso dos executivos recrutados no mercado a questão é a dificuldade na assimilação da cultura organizacional, ao passo que uma solução interna pode ser direcionada por conforto, o que também causa preocupação.

O tempo médio no cargo é de quase seis anos (5,9 anos). E nas 500 empresas analisadas ocorreram 688 transições de CEO no período, sendo que 40% das companhias tiveram duas ou mais transições. Os motivos para sair são bem variados. Um pequeno número foi relacionado a questões pessoais. Algumas saídas foram resultado de fusões e aquisições ou melhores oportunidades, totalizando 15% das motivações. A maior parte, 85%, são afastamentos que podem ser interpretados como resultado de gestão mal sucedida ou ineficiente, de acordo com a pesquisa.

“A velocidade de saída dos novos CEOs tem sido maior, e num ambiente de retração econômica é preciso agir rápido”, afirma Abbatiello. Nesse contexto, o professor lembra que em momentos de crise, normalmente as corporações retraem seus investimentos e enxugam o quadro pessoal, como ocorreu após grandes crises em 2002 e 2009, no que ele considera que muitos erraram a mão.

A melhor prática é buscar alinhamento da cultura organizacional com todos os stakeholders. “As lideranças se preocupam demais com o conselho de administração e os investidores institucionais, mas se esquece dos outros pontos de contato, como diretoria comercial e mesmo os clientes.”

Quanto ao Brasil, a mesma orientação global se aplica, mas o consultor pondera que numa economia de rápido crescimento, como em mercados emergentes, há chances de formar lideranças dentre gerações mais jovens.

Fonte Estadão
Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.