4 situações para fugir e 1 para praticar durante a festa da firma

0 217

Depois de trabalhar um ano inteiro, entregar projetos, superar metas e vencer desafios, chegou o momento de celebrar: a festa de fim de ano da empresa.

Momento para festejar, mas com moderação. Não existe alto desempenho e produtividade que deixe sua reputação blindada contra certas gafes.

Segundo Lucas Oggiam, diretor da Michael Page e Page Personnel, a comemoração não deixa de ser uma extensão do ambiente de trabalho.

“É importante que o funcionário entenda que essas comemorações servem para confraternizar e reunir a equipe de forma menos formal, mas não deixa de ser uma reunião de trabalho. Tem muita gente que costuma confundir essas situações e acaba passando um pouco dos limites”, comenta o diretor.

No espírito da moderação, José Carlos Wahle, sócio da área Trabalhista do Veirano Advogados, recomenda também que o profissional não fale exclusivamente de trabalho. O advogado também lembra que condutas inadequadas podem ser passíveis de punição disciplinar.

Pensando na festa como uma reunião menos formal, é possível apontar quatro situações para evitar e uma para praticar. Confira:

Errar a roupa

Se a empresa permite usar bermuda e chinelo no verão, a festa de fim de ano não é uma ocasião para usar roupas ainda mais casuais. Quem usa terno e gravata pode vestir uma versão mais informal de sua roupa, mas é preciso tomar cuidado e manter coerência com sua vestimenta do resto do ano. Os especialistas apontam que essa escolha pode ter grande impacto na imagem profissional.

Beber demais

A bebida vai ser liberada na festa? Legal, mas é melhor não exagerar. Segundo Oggiam, a embriaguez na festa pode causar até demissão em certo casos. “Tem gente que se torna agressiva, inconveniente e desagradável. É prudente e recomendável ter cautela nessas ocasiões para que sua imagem não seja arranhada ou até mesmo destruída”, alerta Oggiam.

Falar mal dos colegas

Enquanto a ocasião é propícia para relembrar momentos marcantes do ano, é melhor evitar comentar sobre a vida dos colegas de trabalho. Fofocas, intrigas e opiniões negativas sobre os outros podem se espalhar e certamente não serão esquecidas após a celebração. “Procure mais discrição e menos polêmica”, orienta o diretor.

Errar o presente

Todo mundo adora ganhar presente e o sorteio de “amigo secreto” é muito popular nas equipes. Escolher um presente ruim (ou esquecer de comprá-lo) não é um erro tão grave quanto os anteriores, mas ainda pode causar constrangimento.

“A falta de sensibilidade, carinho ou atenção acabam acontecendo até com uma certa frequência. Procure informações sobre a pessoa que você presenteará. Caso não consiga dados sobre ela, o melhor é não arriscar: adote discrição e presenteie com opções tradicionais”, aconselha o diretor.

Networking

Falar apenas de trabalho deve ser evitado. No entanto, isso não significa que a festa não possa ser uma oportunidade para conversar com um diretor menos acessível, conhecer pessoas de outras áreas ou vender sua imagem para seu chefe.

Segundo Oggiam, o networking feito de forma correta pode ser o maior ganho dos eventos de final de ano. “Falar sobre resultados positivos atingidos no ano pode ser uma faca de dois gumes – cuidado. A outra pessoa não pode achar que você está se gabando, mas sim compartilhando felicidades do ano”, comenta.

Fonte Exame.com
Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.