As marcas e os canais de compra de bebidas que o shopper escolheu na pandemia

0 1.466

Canais, marcas, unidades de compra, desembolso e presença das categorias de bebidas alcoólicas na cesta do shopper. Essas foram as análises que a Horus Pesquisa de Mercado fez a pedido do NEWTRADE, contemplando dados pré e durante a pandemia.

A pesquisa apontou que a presença de bebidas alcoólicas cresce na cesta do shopper brasileiro com destaque para a categoria de cervejas, que possui 70,4% de presente dentro da cesta.

Além disso, entre as principais categorias de bebidas alcoólicas, apenas Vodka apresentou redução em seu tíquete médio ao comparar os períodos analisados (janeiro/fevereiro vs abril/maio/junho de 2020; 02 a 09 de junho vs 2 a 09 de julho).  “Em relação à média de itens,  destaque para aperitivo, coquetel e drinks que teve aumento de 20,8%”, comenta Luiza Zacharias, diretora de novos negócios da Horus.

Vale dizer que as bebidas alcoólicas são importantíssimas para o setor supermercadista pois são produtos que estão presentes em uma boa parte das listas de compras de quem frequenta este varejo. “É uma categoria que tem um bom poder de atração. A loja que tiver o trade mix (sortimento, exposição, comunicação e preço) bem trabalhado pode virar referência da região e ser o grande destino de compras dos shoppers que buscam esse tipo de produto”, comenta Cristiano Samara, gerente de projetos da Mind Shopper.

Ele ainda comenta que geralmente são produtos que têm margens interessantes e os shoppers costumam comprar alguns dos itens em quantidade, como as cervejas. “Além disso, diferentemente de um produto como papel higiênico ou absorvente que só serão utilizados quando houver necessidade, quanto mais o shopper tem bebidas em casa, mais ele consome, portanto mesmo quando acaba se estocando, ainda assim existe a possibilidade dele buscar por mais produtos do tipo já que costuma gostar de variedade e de experimentar novas marcas, tipos e estilos de bebidas”, comenta.

As bebidas são excelentes impulsionadores de outras categorias, desde o segmento de snacks, incluindo os laticínios completando com o de carnes, principalmente as de churrasco. “Este segmento de itens para churrasco foi um dos que teve um boom na pandemia, acompanhado das bebidas”, comenta Marco Quintarelli, consultor de varejo.

LEIA MAIS: As top 3 marcas de produtos de indulgência que o shopper está comprando
As marcas e os canais

A pesquisa Horus apontou também que, entre as principais marcas de cerveja, somente Itaipava teve aumento na média de itens vendidos, com 7,99% durante a pandemia. Já em relação ao tíquete médio, todas as marcas tiveram redução com exceção de Skol, com 30,75%, também durante a pandemia.  “Entre os Destilados, destaque para a marca Pitú que teve aumento de 72,9% na média de itens e 52,9% em tíquete médio”, conta Luiza.

 

 

Já entre os canais, o único que teve aumento na média de itens de bebidas alcoólicas foi super/hipermercado com 20,7%. Segundo Luiza Zacharias, além da redução na média de itens, o atacarejo teve uma redução de 24% no tíquete médio para a categoria de bebidas alcoólicas.

A categoria de bebidas é uma das mais relevantes do setor e corresponde, em média, entre 7% e 10% do faturamento do varejista e por isso é preciso investir em ações que mantenham e aumentem esse resultado. “É muito importante, pois as ações promocionais de bebidas sempre atraem clientes, elevam o tíquete médio e ajudam a impulsionar as categorias, principalmente, quando a loja é bem trabalhada na organização, exposição, pilhas e cartazeamento”, comenta Cláudia Biselli, sócia-fundadora da JUI PDV. Para ela, a loja é normalmente o melhor canal e a melhor mídia dos varejistas e atacadistas.  “Apesar do crescimento do digital, a oportunidade em loja é enorme. Uma pesquisa, realizada pela Nielsen, aponta que 70% das decisões dos consumidores são tomadas na frente das gôndolas. Portanto, além do gerenciamento por categorias, a estratégia de cartazeamento é muito eficaz”, diz.

Cláudia Biselli, sócia-fundadora da JUI PDV
Presença do Vinho

Ao olhar o panorama do consumo por regiões, a Horus revela que as regiões Sul e Nordeste apresentam a maior presença de vinho na cesta de bebidas alcoólicas e nesse cenário, a presença de cerveja é menor onde o vinho cresce.

Comportamento que é bem diferente nas regiões Sudeste e Centro-Oeste que apresentam a maior presença de cerveja na cesta analisada. “Essas regiões também apresentam menor presença de vodka”, diz Luiza.

Subindo no mapa do país, a região Norte é onde está a segunda maior presença de cachaça, ficando atrás apenas da região Sul, onde o índice é de 8,5%. A região também apresenta o maior índice de Vodka.

 

Exposição

De modo geral, a exposição da seção de bebidas é a mesma para todos os canais. Confira dicas de Cristiano Samara:

  • A exposição é sempre por categoria, ou seja, cervejas, destilados, vinhos, entre outros.
  • Em cada categoria serão destacados os segmentos, marcas e tipos de embalagem (no caso de cervejas, por exemplo: básicas/premium/artesanais.
  • Em seguida por tipos Pilsen/IPA/Escuras, etc. Monta-se então os blocos de marcas com seus diferentes tipos de embalagem – latinha/latão/long neck/garrafa).
Cristiano Samara, gerente de projetos da Mind Shopper.

“Em alguns casos a exposição específica de uma categoria pode mudar de acordo com o tipo e missão de compra da loja. Em um hipermercado o espaço será maior e provavelmente terão mais produtos em packs, preços mais agressivos e boas promoções, já que as pessoas buscam comprar um bom volume de produtos. Já em um supermercado de bairro, o foco pode ser em ter mais itens individuais e menos itens em packs, com mais itens premium/artesanais e opções de produtos já refrigerados para consumo imediato”, diz Samara. Ele ainda reforça que para tomar estas decisões de como operar cada categoria é importante entender quem é o shopper da loja, qual a sua missão e o que ele espera encontrar na sua loja.

 

 

 

 

 

Notícias Relacionadas
Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.