Grendene testa vending machines n Brasil

0 74

Na última semana de 2020, a Grendene, por meio de seu laboratório de inovação, o Bergamotta Works, fechou uma parceria com a CasaGroup, rede internacional de franquias de vending machines para uma linha de máquinas em colaboração. A princípio, serão três unidades instaladas nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro e uma internacional, na Flórida, nos Estados Unidos. A ideia e iniciar a expansão por franquias ainda em 2021.

A CasaGroup foi fundada pelo brasileiro Claudio Landsberg em Orlando, na Flórida, há seis anos, e chegou ao Brasil em maio de 2020. De lá para cá, já fechou parcerias com marcas como C&A, Petz e a própria Grendene, além de unidades multimarca. Em entrevista a PEGN, o empreendedor adianta que, nas próximas semanas, novas parcerias com grandes empresas devem ser divulgadas.

As vending machines da Ipanema trabalharão com um portfólio de cerca de 500 produtos. A novidade é um dos 11 projetos criados pelo Bergamotta Works desde sua fundação, no primeiro trimestre do ano passado. O laboratório está sediado em Porto Alegre (RS).

“Para a Ipanema trata-se de um projeto estratégico, pois com isso criamos novos canais de acesso ao consumidor para a marca. Este é um piloto para depois, ao validar a hipótese de quais são os pontos mais interessantes e atrativos para o consumidor, traçar um plano global de expansão”, afirma Arturo Garziera, head de inovação da Grendene.

A exportação já fazia parte da história da indústria calçadista, fundada em 1971, mas a empresa tem aumentado cada vez mais a sua presença física no mercado internacional. Em dezembro, uma nova loja do Clube Melissa foi inaugurada em Los Angeles, na Califórnia. A marca já tinha operações em Nova York e Londres e planeja mais nove pontos nos Estados Unidos, além de uma loja na China, em março.

A vending machine será uma importante estratégia de globalização da empresa. As primeiras máquinas estarão em shopping centers no Rio de Janeiro e São Paulo e em Riviera Beach, na Flórida. A ideia é abrir mais pontos em resorts brasileiros e localizações que tenham apelo para o produto, segundo Landsberg.

O dono da CasaGroup explica que o modelo de franquia em parceria com a Grendene terá diferente das outras marcas operadas pela rede – será um modelo de parceria, em que o franqueado compra “uma máquina de autoatendimento da Grendene”. Em outros negócios, a unidade não é necessariamente atrelada à marca, e a CasaGroup ou o próprio franqueado podem mudar os produtos e comunicação visual do ponto no decorrer do contrato, dependendo da estratégia.

Na franquia conjunta com a Grendene, o suporte ao franqueado será prestado pela CasaGroup e o fornecimento de produtos, bem como a comunicação visual ficarão a cargo da empresa de calçados.

Ainda não há um valor definido para investimento inicial. No entanto, Landsberg diz que deve seguir o mesmo aporte necessário para ter as franquias convencionais da CasaGroup – cerca de R$ 35 mil por máquina. “O plano é vender quase 1000 lojas só da Grendene em dois anos”, afirma.

O empreendedor diz que se surpreendeu com a demanda por vending machines no mercado brasileiro, tanto de clientes quanto de parcerias com marcas, e que a pandemia impulsionou o modelo de negócio. A expectativa era vender 20 franquias ao longo do ano, mas a CasaGroup chegou a quase 100.

Parte das máquinas da empresa são negociadas para condomínios, o que Landsberg considera ter sido um dos fatores de aceleração. “O consumidor mudou os hábitos em 2020. Agora, ele já está mais familiarizado com comprar um chinelo pela internet, por exemplo, sem tocar antes. Isso abre portas para as vending machines”, afirma

Fonte PEGN
Notícias Relacionadas
Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.