Como os varejistas podem sobreviver à “Era Amazon”?

0 419

Enquanto o Prime Day 2019 da Amazon foi cheio de complicações, desde protestos de trabalhadores até investigações antitruste, a gigante de tecnologia novamente quebrou recordes com 175 milhões de itens vendidos, superando tanto a Black Friday quanto a Cyber ​​Monday combinadas. As informações são do site TechCrunch.

Em apenas 20 anos, a Amazon revolucionou o setor de logística, cumprindo ordens diretamente e oferecendo seus serviços de atendimento a terceiros que vendem no mercado da Amazon. Este ano, mais da metade das famílias dos EUA serão membros Prime. Como a Amazon continuamente reduz os custos e tempo de entrega, as expectativas dos consumidores continuam aumentando. Mas o que isso significa para outros varejistas?

Para sobreviver na “Era Amazon”, a forma como as empresas armazenam e entregam bens físicos até seu destino final precisará mudar profundamente na próxima década. Abaixo estão alguns dos principais desafios enfrentados pelo cenário de logística e três previsões para o que podemos esperar:

O desafio

Derrubar a Amazon é difícil devido ao seu tamanho, abrangência, profundidade de infra-estrutura de armazenagem e atendimento e automação de ponta. Enquanto isso, a típica cadeia de suprimentos de logística tornou-se cada vez mais complexa, desde o transporte de bens físicos das instalações de fabricação até a entrega de última milha aos consumidores. Além disso, a tecnologia legada se esforça para fornecer insights acionáveis ​​devido à baixa transparência, fluxo de informações ineficiente e automação limitada.

A diferença entre as expectativas do remetente e os recursos dos provedores de logística continua aumentando, assim como a capacidade e os recursos, mas diminuindo a visibilidade e o controle do remetente no processo.

Agora, também leve em consideração outros fatores, como a escassez de operários e o efeito líquido da indústria, e a inovação nas operações de entrega e armazenamento que está se tornando necessidade premente.

O que vem a seguir para logística?

Os remetentes precisarão cada vez mais reinventar sua cadeia de valor de logística e atualizar várias funções, do armazenamento à distribuição, bem como alavancar novos parceiros que tragam tecnologias e conhecimentos inovadores.

As startups de tecnologia, que estão bem posicionadas para criar soluções enxutas e eficazes para todo o setor, são aquelas que se concentram na solução de pontos problemáticos específicos, incluindo melhoria, visibilidade em toda a cadeia logística, velocidade de entrega, rentabilidade de armazenamento e atendimento.

Rastreamento 24/7 virou aposta de mesa

Nos últimos anos, a onda de “consumerização de TI” atingiu o setor de logística, o que significa que os profissionais de negócios esperam que o software corporativo se pareça com os aplicativos de consumo que eles usam todos os dias — simples, rápido e fácil de usar.

A infraestrutura legada da maioria das empresas apresenta desafios com rastreamento fácil ou visibilidade do inventário existente. Uma nova onda de soluções apoiadas por capital de risco, que combinam tecnologia e execução, surgiu para resolver esses problemas.

Tome Shipwell (frete), Stord (armazenamento) e Shipbob (atendimento), por exemplo — essas soluções podem fornecer ofertas digitalizadas de ponta a ponta com a velocidade, confiabilidade e acessibilidade que são vitais para as equipes de operação de remessa.

Embora ainda não haja um vencedor claro de gerenciamento de estoque ou de nova geração nos EUA, os primeiros sinais indicam que os provedores de capacidade estão avançando nessa direção, oferecendo mais soluções, como fluxo de trabalho e ferramentas de painel adicionais, às suas ofertas de serviços.

O envio no mesmo dia será a norma

O recente anúncio de envio de um dia da Amazon é um precursor de onde o setor está sendo empurrado. De acordo com a Invesp, mais de 65% dos varejistas pesquisados ​​esperam oferecer entrega no mesmo dia nos próximos dois anos.

Muitos estão tentando resolver soluções de atendimento de ponta a ponta para players de comércio eletrônico, incluindo armazenamento, embalagem, atendimento, transporte e serviços de logística reversa. Startups como Deliverr, Shipmonk e Darkstore oferecem soluções competitivas ou melhores em termos de custo e velocidade, geralmente controlando o fornecimento de armazenamento diretamente e terceirização ou fornecimento de crowdsourcing.

Outros se tornaram verticais, como a empresa Cathay Innovation e o aplicativo de entrega Glovo, que lançou recentemente sua versão de darkstore, que é do tamanho de uma garagem com estoque limitado dentro das cidades, mas com o objetivo de garantir 15 minutos de entrega.

De acordo com o CEO da Glovo, Oscar Pierre, “as lojas Dark são uma grande prioridade para nós, e planejamos abrir novas lojas em Barcelona, ​​Lisboa, Milão e Tbilisi no próximo ano. Ser capaz de entregar em 20 minutos tem uma influência enorme na decisão do cliente. Quando o prazo de entrega é curto e a sensibilidade ao preço é baixa, é isso que faz com que as pessoas decidam entre ir à loja de conveniência local ou fazer o pedido pelo aplicativo.”

A expectativa de velocidade de entrega está experimentando sua própria “lei de Moore” e é uma área em que vemos uma grande quantidade de oportunidades, dada à confluência de mudança necessária do varejo físico que atende às expectativas digitais.

A relação custo-benefício de armazenamento vai melhorar

Assim como o Spotify e o Netflix condicionaram os consumidores a um preço, os varejistas e os entregadores de última milha estão fazendo o mesmo com o frete. Isso limita a capacidade dos transportadores de repassar os custos para os consumidores, forçando os fornecedores a procurar em outro lugar para cortar custos.

Várias startups estão surgindo para resolver o problema que as empresas estão mal equipadas para resolver: permitir que os varejistas compitam com a Amazon, respondam mais rapidamente às necessidades do mercado e contenham custos crescentes.

O armazenamento flexível e sob demanda tornou-se uma boa opção para economizar custos e expandir a área de cobertura, no estilo da AWS. Empresas como a FLEXE e a Flowspace estão conectando espaço não utilizado e capacidade de atendimento a clientes que possuem necessidades dinâmicas de armazenagem e atendimento, criando um mercado mais líquido e eficiente, além de aumentar a visibilidade de seus ativos.

Do lado do transporte por caminhões, empresas como a Convoy e a Ontruck também estão garantindo que os caminhões sejam melhor utilizados, combinando a capacidade de esvaziar os caminhões.

Como muitos remetentes (até mesmo gigantes como o Walmart) lidam com a criação de uma operação de e-commerce lucrativa, áreas como armazenagem, distribuição e atendimento serão áreas-chave a serem observadas nos próximos anos.

Para fechar

Várias inovações tecnológicas, desde sensores de IoT [Internet das Coisas], modelos de machine learning até robôs autônomos estão transformando a cadeia logística de suprimentos. As startups não apenas têm a oportunidade de sobreviver à “Era Amazon”, mas também ajudam a crescente indústria de comércio eletrônico a entregar seu potencial de inovação.

Fonte e-commerce Brasil
Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.