Anvisa proíbe venda de lotes de frango da Perdigão por suspeita de salmonela

0 436

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a distribuição e comercialização no País de vários lotes de carne de frango da marca Perdigão, da BRF, como consta no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira, 14.

Conforme a Resolução 389, de 13 de fevereiro de 2019, publicada no DOU, a Anvisa considera e destaca na proibição o comunicado de “recolhimento voluntário” encaminhado pela BRF (donas da marca Sadia e Perdigão), em decorrência da contaminação microbiológica por Salmonella Enteritidis em diversos lotes de carne de frango produzidos pela unidade da cidade de Dourados (MS).

Além disso, a agência determina que a empresa promova o recolhimento do estoque existente no mercado referente aos lotes citados na resolução.

Recall

Ontem, quarta-feira, 13, a BRF anunciou um recall voluntário de 464 toneladas de frango com a marca Perdigão por risco de presença da bactéria salmonela. Os lotes de alguns produtos de carne de frango in natura a serem recolhidos de forma voluntária somam 164,7 toneladas no mercado doméstico e a ação inclui a retirada preventiva de 299,6 toneladas destinadas ao exterior, produzidas nos dias 30 de outubro e 05, 06, 07, 09, 10 e 12 de novembro de 2018 na unidade de Dourados (MS).

No anúncio, divulgado na quarta-feira, a companhia esclareceu que, “caso esses alimentos não sejam completamente fritos, cozidos, assados ou manuseados conforme descrito nas embalagens, a Salmonella Enteritidis representa risco à saúde”.

Em comunicado ao mercado disponível na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a BRF explicou também que “a decisão de recolher todos os lotes, ao invés de partes da produção afetadas, segue o princípio da precaução e o compromisso da BRF com Segurança Alimentar, Qualidade e Transparência”, e que o incidente e o recolhimento dos produtos foram reportados a autoridades brasileiras como o Ministério da Agricultura e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), com a qual acordou as bases do recolhimento voluntário.

A companhia disse ainda que iniciou proativamente o inventário e recolhimento dos produtos em rota ou junto aos clientes no mercado interno e externo, e destacou um grupo de especialistas para investigar as origens “deste único caso para garantir a adoção das medidas apropriadas para evitar recorrência”.

A produção em Dourados segue “sob um processo rigoroso de manutenção e liberação dos produtos para assegurar que a ocorrência foi pontual e não se repetirá”.

Crise

O anúncio acentua ainda mais crise exposta na BRF. A empresa teve seu nome envolvido na operação Carne Fraca, deflagrada em março do ano passado, em que é acusada de omitir salmonela em seus produtos.

Desde 2017, a empresa acumula resultados negativos e enfrenta uma crise de gestão. No comando desde o ano passado, o executivo Pedro Parente tem promovido uma reestruturação operacional e financeira na companhia.

O episódio, contudo, só contribuiu para elevar ainda mais a cautela dos investidores, que preferem outros papéis no setor de alimentos, especialmente a rival JBS. Na semana passada, a BRF anunciou a conclusão de seu processo de vendas de ativos, que somou R$ 4,1 bilhões, abaixo das expectativas do mercado e da própria empresa, que esperava levantar R$ 5 bilhões.

Fonte Estadão
Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.