Ambev é denunciada por antigos distribuidores

0 98

A Corte Interamericana de Direitos do Homem da Organização dos Estados Americanos – OEA aceitou a denúncia da Associação dos Distribuidores e Ex-distribuidores dos Produtos da Ambev do Estado de São Paulo e Região Sudeste – Adisc/SP contra as autoridades judiciárias e administrativas brasileiras, bem como à AmBev, para que providências sejam tomadas em relação a graves violações de direitos humanos.

Após a fusão das cervejarias Antarctica, Brahma e Skol, em 1999, que resultou na AmBev, esta passou a concentrar vendas das distribuidoras rompendo acordos que levaram 95% delas a encerrarem suas atividades, eliminando aproximadamente 100 mil empregos diretos e indiretos.

Para tentar reverter esse quadro, os antigos distribuidores das duas empresas, que tiveram seus direitos completamente ignorados no processo que autorizou a megafusão e naquele em que pleiteam o cumprimento do quanto acordado com a Ambev, buscam providências relacionadas ao descaso das autoridades judiciárias do País.

“Estas, quando procuradas  pelos prejudicados, demoraram cerca de três anos para dar um primeiro pronunciamento no caso relativo à um pressuposto processual, consistente na exclusão do CADE do pólo passivo, julgando como incompetente a Justiça Federal. O Tribunal Regional Federal, por sua vez, demorou cerca de cinco anos para julgar o recurso e, enfim, decidir pela exclusão definitiva do CADE do pólo passivo”, afirma Tae Young Cho, advogada da Adisc/SP.

STF
Em fevereiro deste ano, foi protocolada no Supremo Tribunal Federal – STF, uma ação sobre o descumprimento de preceito fundamental desde que a AmBev foi criada. A fusão foi aprovada pelo CADE e uma das condições impostas para o negócio ser colocado em prática era que funcionários, representantes e agentes internos e externos não fossem prejudicados. Na prática, os distribuidores de todo o Brasil foram “expulsos” do mercado – tiveram que fechar suas empresas e demitir empregados. Na época, cerca de 2.500 empresas tiveram de fechar suas portas e, ao todo,mais de 100 mil trabalhadores foram prejudicados. 

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.