Gasolina recua em 18 estados e no DF, etanol também cai, segundo ANP

0 571

O valor médio da gasolina vendido nos postos brasileiros recuou em 18 Estados brasileiros e no Distrito Federal na semana passada, segundo dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), compilados pelo AE-Taxas. Na média nacional, a queda foi de 0,13%, para R$ 3,758 o litro. Em outros sete Estados, incluindo São Paulo, o preço da gasolina subiu e em Sergipe houve estabilidade sobre a semana anterior.

Em São Paulo, maior consumidor do País, o litro da gasolina avançou 0,2% na semana passada, de R$ 3,533, para R$ 3,54, em média. A maior alta na semana foi em Goiás, onde os preços da gasolina subiram 5,43%, para R$ 4,07. Aquele Estado registrou também a maior alta porcentual semanal no preço do etanol, de 5,73%.

Em Minas Gerais houve recuo médio no preço gasolina de 0,94%, de R$ 3,845 para R$ 3,809 o litro, enquanto no Rio de Janeiro a queda foi de 1,27%, de R$ 4,18 para R$ 4,127, em média. Mesmo com a baixa, o Rio de Janeiro tem o segundo maior preço médio da gasolina no País, atrás apenas do Acre, onde o litro custa, em média, R$ 4,261.

Os preços do etanol hidratado nos postos brasileiros recuaram em 14 Estados e no Distrito Federal na semana passada, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) compilado pelo AE-Taxas. Em outras dez unidades da Federação houve alta nos preços. Em Roraima houve estabilidade e a ANP não divulgou novamente os preços nos postos do Amapá.

Em São Paulo, principal Estado produtor e consumidor, após duas semanas de reajustes a cotação média do hidratado recuou 0,87% na semana passada, de R$ 2,411 para R$ 2,39 o litro. No período de um mês, no entanto, os preços do combustível subiram 8,39% nos postos paulistas. O maior recuo semanal, de 3,45%, ocorreu na Paraíba, seguido pelo Amazonas, com queda de 2,44%. Na média dos postos brasileiros pesquisados pela ANP, houve recuo de 0,54% no preço do etanol na semana passada.

O maior aumento do etanol na semana passada, de 5,73%, foi em Goiás, seguido por Pernambuco (2,14%). A maior alta mensal também foi em Goiás, de 12,77%, e as maiores quedas no período de um mês foram em Maranhão e Tocantins, de 1,06%. Na média brasileira, o preço do médio do etanol nos postos brasileiros pesquisados pela ANP acumulou aumento de 7,06% no período de um mês.

No Brasil, o preço mínimo registrado na semana para o álcool hidratado em um posto foi de R$ 2,06 o litro, em São Paulo, e o máximo foi de R$ 4,25 o litro, no Rio Grande do Sul. O menor preço médio estadual foi de R$ 2,39 o litro, em São Paulo, e o maior preço médio foi verificado em Roraima, de R$ 4,02 o litro.

Competitividade

Os preços médios do etanol hidratado seguiram competitivos com os da gasolina em São Paulo, Mato Grosso e Minas Gerais, segundo dados da ANP, compilados pelo AE-Taxas. O levantamento considera que o combustível de cana, por ter menor poder calorífico, tenha um preço limite de 70% do derivado de petróleo nos postos para ser considerado vantajoso. Em Mato Grosso, onde o etanol está mais competitivo, o combustível é vendido em média por 63,4% do preço da gasolina. Em São Paulo a paridade está em 67,51% e, em Minas Gerais, em 69,44%, bem próxima ao limite. Em Goiás, o etanol custa, em média, 70,87% do preço da gasolina e é praticamente indiferente o uso dos dois combustíveis nos veículos flex. No entanto, esse porcentual vem aumentando e o biocombustível perde competitividade ante a gasolina a cada semana nos postos goianos.

A gasolina segue mais vantajosa principalmente em Roraima. Naquele Estado, onde não há fabricação de álcool e há uma dificuldade logística para o recebimento do combustível das regiões produtoras, o preço do etanol custa 8,04% mais caro do que o cobrado em média pela gasolina.

Fonte O Estado de S.Paulo
Notícias Relacionadas
Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.