10 características que todo bom gestor deve ter, segundo o Google

0 247

Qual é a importância de um gestor? Para o Project Oxygen, do Google, a resposta para essa pergunta era: nenhuma. Lançado em 2002, a iniciativa tinha como objetivo provar que os gestores eram, no melhor dos cenários, um mal necessário — e, no pior, uma camada inútil de burocracia.

Para testar essa teoria, foi construído um cenário radical: uma organização com uma estrutura hierárquica plana, sem nenhum gerente. O experimento, em 2002, acabou por ser um desastre completo. Depois de alguns meses, o Google se deparou com um contingente de funcionários desorientados e com dúvidas até mesmo nas tarefas mais básicas.

O gigante de buscas não desistiu, mas se empenhou em responder outra questão: quais são os comportamentos mais comuns nos melhores gerentes? Na época, o vice-presidente do Google, Laszlo Bock, disse em entrevista para o The New York Times que esses dados eram necessários para aprimorar a estrutura administrativa da empresa.

Essa pesquisa gerou uma lista de 10 atributos, que logo foram aplicados na cultura da empresa. E, segundo Laslo, a iniciativa deu certo. “Estatisticamente, nós conseguimos aumentar a performance dos nossos piores gestores em 75%.”

Confira quais são os 10 atributos mais comuns em bons gerentes.

Seja um bom mentor

É preciso mostrar que você se importa com seus funcionários. Uma forma de manifestar isso é dedicar tempo e esforço para ajudar os seus colaboradores a se tornarem profissionais melhores.

Mas não entregue tudo de bandeja. Um bom mentor é capaz de fazer boas perguntas, não apenas dar respostas. Dessa forma, você conseguirá expandir o ponto de vista dos seus mentorados, em vez de os pressionar a adotar o seu.

Crie equipes empoderadas

Segundo uma pesquisa realizada pela especialista em recursos humanos Gretchen Spreitzer, da Universidade de Michigan, funcionários empoderados têm maior satisfação no trabalho e maior comprometimento organizacional.

Para isso ser possível, os gestores precisam abrir mão do microgerenciamento, dando autonomia para os colaboradores realizarem suas tarefas. O resultado é uma menor rotatividade e aumento no desempenho e motivação. Além disso, os supervisores que empoderam são vistos como mais influentes e inspiradores por seus subordinados.

Crie um ambiente inclusivo

Vencer é bom, mas vencer em equipe é ainda melhor. Para criar esse sentimento de unidade, bons gestores precisam estimular o sentimento de interdependência entre seus colaboradores. Também se certifique que todos estão integrados, não deixando ninguém fora.

Seja produtivo e sempre procure resultados

Leve a produtividade dos seus funcionários a sério. E, para isso, é preciso dar as ferramentas necessárias para serem produtivos. Uma das formas de fazer isso é eliminando processos desnecessários.

Seja um bom comunicador

O maior problema com a comunicação é a ilusão de que ela ocorreu. E isso acontece sempre que você não dá ouvido a seus funcionários. Um bom gestor sempre está preocupado em ouvir – mesmo que seja para dizer um “não”.

Tenha visão

Muito mais do que direcionar os funcionários para um objetivo, um bom gestor os estimula a colaborar com a construção de estratégias. Isso deixará a equipe mais comprometida com a sua visão de negócios e, consequentemente, mais empenhada em atingir suas metas.

Dê feedbacks

Os melhores gestores se preocupam com as carreiras e desenvolvimento da sua equipe. E nada ajuda mais nisso que um feedback.

As pessoas não trabalham para alcançar uma meta numérica. Trabalham para dar significado às suas vidas, e o significado vem do crescimento e desenvolvimento pessoal.

Tenha a experiência necessária para aconselhar sua equipe

Mais do que uma boa administração, o Google quer que seus gestores tenham as habilidades técnicas (como programação, por exemplo) necessárias para aconselhar sua equipe. Então faça o necessário para construir essa expertise, seja fazendo cursos ou lendo livros.

Colabore

A colaboração acontece quando cada membro da equipe sente responsabilidade e interdependência com os colegas de equipe, e isso é cada vez mais necessário.

Nada é mais destrutivo para uma equipe do que um líder que não está disposto a colaborar. Ele passa um sentimento de individualidade que mata a cultura, a produtividade e os resultados da empresa.

Seja um “tomador de decisões”

Ou você é um “tomador de decisões”, ou é um gestor indeciso. E a indecisão paralisa uma empresa, cria dúvida, incerteza, falta de foco e até mesmo ressentimento.

Para tomar decisões fortes, primeiramente é preciso acreditar nelas. Em seguida, é preciso ter autoconfiança o suficiente para a levar para frente.

|

Fonte Época Negócios
Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.