Minha Quitandinha quer triplicar número de lojas até 2022

0 837

A Minha Quitandinha é uma startup de solução de minimercados autônomos que funciona 24 horas por dia dentro de condomínios. As ‘lojas’ chegam a disponibilizar cerca de 700 produtos ao consumidor.

Baseada no conceito de honest market, a operação é bem simplificada, pois não requer muito espaço, sendo o ideal acima de dois m², podendo ser no hall de entrada, recepção, corredor ou até mesmo em uma vaga de garagem, como foi no caso da unidade instalada na cidade de Itajaí, em Santa Catarina.

Para o consumidor, também é tudo intuitivo: o minimercado é totalmente viabilizado pelo sistema de self-checkout. As compras são realizadas por meio de um app de celular gratuito que por geolocalização identifica a loja e permite o passo a passo seguinte bem simples: escanear o código de barra dos produtos que deseja adquirir e pagar diretamente pelo aplicativo, via cartão de crédito e, agora, mais recentemente, débito.

Para a geladeira de bebidas alcoólicas, um QR Code afixado à porta só destrava via app, se validados os dados cadastrais com a Receita Federal, que confirma o usuário como maior de 18 anos. Além de cervejas geladas, alguns licenciados podem incluir, entre os produtos, sorvete e iogurtes.

A ideia da Minha Quitandinha começou a ganhar forma no segundo semestre de 2020 e a primeira unidade foi aberta em dezembro, em Itajaí, Santa Catarina, seguido de outras duas, na mesma cidade. Hoje a empresa opera em Pelotas, São Paulo, Belo Horizonte e Belém, com um total de 17 lojas e 12 licenciados.

Agora, segundo a empresa a meta é conquistar seu primeiro milhão em 2021, além de triplicar o número de lojas em 2022 e chegar a R$ 1 bilhão em 2023, com 800 lojas abertas. Para isso a empresa aposta nas vantagens do empreendimento, ou seja, a oferta de um serviço 100% digital, dispensando interações humanas e ainda gera cashback para o condomínio.

Além da estruturação do negócio ao longo dos meses, a empresa ampliou também o escopo da startup, que passou a mirar não só nos condomínios residenciais, como também em empresas, clubes, academias, marinas e hotéis que apresentem um fluxo médio diário de 500 pessoas ou mais.

Notícias Relacionadas
Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.