Lei obriga supermercados a lavarem seus carrinhos

0 152

A conta de supermercado dos paranaenses pode ficar um pouco mais cara em breve. Há uma lei estadual prestes a ser sancionada pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) obrigando os estabelecimentos com mais de três caixas registradoras a higienizar carrinhos, cestos e outros itens de uso compartilhado pelos consumidores na hora das compras.

Embora a expectativa seja de serviços relativamente baratos, as despesas – ainda que mínimas – serão embutidas no preço final dos produtos e repassadas à população.

A proposta é de autoria do deputado estadual Requião Filho (MDB), que justifica a necessidade da norma para garantir a proteção da saúde do consumidor. “Nosso país, assim como vários outros, convive com riscos variados de moléstias transmissíveis por contato, necessitando de frequentes e dispendiosas campanhas patrocinadas pelo Poder Público”, diz o texto. E continua: “boa parte dessas destas doenças decorrem de precários padrões de higienização existentes em locais e ambientes de frequência pública, como supermercados, feiras e demais estabelecimentos comerciais de grande circulação de pessoas”.

De acordo com a Associação Paranaense de Supermercados (Apras), as opções são basicamente duas: a contratação de empresas ou colaboradores terceirizados ou a atribuição do serviço à equipe já existente. Mas, de acordo com Valmor Rovaris, superintendente da Apras, essa escolha pode depender de variáveis como o tamanho do estabelecimento e a quantidade de itens que precisarão ser limpos, por exemplo. “Algumas empresas incorporarão essas atividades às que os funcionários já executam, apenas com alguma adaptação às rotinas, outras não. É caso a caso. O que não pode acontecer é o supermercado deixar de cumprir qualquer legislação obrigatória”.

Além dos carrinhos e cestos, embalagens, artefatos e equipamentos reutilizáveis também entrarão na regra. “Não há ainda informação sobre uma regulamentação da norma, então cada empreendimento está buscando a melhor alternativa para a sua realidade”. Para ele, o passo seguinte à sanção da nova lei é a operacionalização do serviço pelos próprios estabelecimentos. “As empresas terão que criar uma sistemática com os procedimentos, datas, produtos e nomes de colabores responsáveis e protocolar isso junto aos órgãos de vigilância sanitária. Não será uma mudança assim tão drástica porque a maioria dos supermercados já faz isso há anos”, diz Rovaris.

Requião Filho sustenta o contrário. “Eu decidi propor essa lei porque um dia fui ao supermercado com os meus filhos e, quando eles buscaram o carrinho, até me assustei com tanta sujeira”. O parlamentar diz que o problema é comum e que incomoda muitos paranaenses. “Eu saí perguntando. Todo mundo concordou comigo, e então eu decidi transformar a reclamação em projeto”.

Mesmo em caso de sanção, os estabelecimentos terão um prazo de seis meses para implementar a rotina de limpeza. Depois disso, começam as fiscalizações em relação ao cumprimento da norma, tarefa que, segundo o parlamentar, ficará a cargo do Executivo estadual, que responde pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) e pelas ações de vigilância sanitária no Paraná. Em nota, a (Sesa) afirma que quando a regra for oficializada, “os estabelecimentos sujeitos à vigilância sanitária receberão as devidas inspeções de rotina”.

Já os casos de descumprimentos devem ser punidos com multa de 5 a 300 vezes a Unidade Padrão Fiscal do Paraná (UPF/PR), que é de R$ 102,49 para o ano de 2019. Em outras palavras, a punição financeira pode variar de pouco mais de R$ 500 a quase R$ 31 mil, valor que deve ser “revertido em favor do Fundo Estadual de Defesa dos Interesses Difusos (Feid)”, diz o texto.

Custos estimados da manutenção dos carrinhos

Ainda conforme o superintendente da Apras, no caso dos carrinhos, o preço do serviço de terceirizado de higienização deve variar entre R$ 5 e R$ 10 por unidade. “Eu acho mais fácil contratar quem faça. Considerando, por exemplo, o maior hipermercado em Curitiba, que fatura de R$ 200 milhões a R$ 300 milhões por ano e tem cerca de 700 carrinhos, a despesa mensal deverá ser de R$ 14 mil para as duas limpezas/mês”.

Valmor Rovaris também afirma que o gasto extra será repassado aos consumidores e que a expectativa inicial é de que a diferença seja diluída nos produtos praticamente sem impacto real. “Não tem mágica, alguém sempre paga a conta. É claro que [o valor] será embutido no custo de prateleira, mas esse acréscimo deve girar entre 0,001% e 0,005%”.

Na hipótese de o trabalho ser realizado por funcionários que já pertençam ao quadro de colaboradores do empreendimento, a tendência é de que a despesa proporcional seja menor, decorrente apenas da aquisição do material de limpeza e antisséptico. “Por outro lado, sabemos de estabelecimentos que estão cogitando a importação de veículos específicos para esse fim; parecem caminhões pequenos”, esclarece Rovaris. “Alguns associados estão avaliando fazer isso de forma conjunta, para dividir o valor do investimento, e depois criar um calendário contemplando as empresas”.

Tramitação do projeto de lei

O projeto de Lei 10/2017 tramita na Assembleia Legislativa do Paraná desde 7 de fevereiro de 2017. Inicialmente, a proposta era de que o serviço de higienização fosse realizado todos os dias, e por causa disso o texto foi rejeitado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa em 30 de maio daquele mesmo ano. O argumento foi o de que, naquele formato, a proposta era inconstitucional.

Em dezembro de 2017, Requião Filho apresentou um substitutivo geral à matéria, com a periodicidade mínima do serviço alterada. O projeto então passou na CCJ e nas comissões temáticas e foi aprovada em Plenário em 1º e 2º turnos. O texto foi enviado para sanção do governador Ratinho Junior em 12 de julho de 2019.

Fonte Gazeta do Povo
Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.