Mais de 70% dos brasileiros cortaram produtos gourmet de suas cestas

0 109

Pesquisa realizada pela Dunnhumby com 946 consumidores brasileiros aponta que alguns setores da economia ganharam mais espaço durante a crise, principalmente em função das trocas feitas pelos brasileiros para conseguir unir qualidade e preço em suas escolhas.

No geral, a percepção do consumidor brasileiro sobre a crise no Brasil (confiança na economia) está mais positiva quando comparado ao ano passado. Em Novembro de 2015, 45% diziam estar muito pessimistas e 36% um pouco pessimistas; esse ano esses números foram de 11% e 23% respectivamente.

Dentre as categorias analisadas no varejo alimentício, produtos importados ou gourmet foi a que mais perdeu mercado: 78% das pessoas pararam de comprar esses itens ou reduziram o seu consumo; Produtos sem glúten, sem lactose, zero açúcar e zero gordura também perdem: 39% afirmam ter reduzido o consumo desses produtos, assim como Orgânicos e saudáveis, que viram seu consumo ser reduzido em  38% das cestas;

Café é a categoria mais imune à crise: 63% mantiveram o mesmo padrão de consumo; Além disso, 30% dos brasileiros afirmam não abrir mão de sua marca favorita, independentemente do preço; Já 56% dos entrevistados elegem um grupo de marcas favoritas e faz trocas de acordo com o melhor valor.

Já em relação ao consumo geral do brasileiro, Internet Banda Larga é o segmento que mais se destaca: 67% mantiveram o consumo e apenas 22% disseram ter feito alguma redução. Em contrapartida, restaurantes, lazer/entretenimento e turismo são os que mais sofreram no último semestre: 71% dos entrevistados declararam ter reduzido gastos com viagens; 70% cortaram gastos com alimentação fora de casa e 65% afirmam ter diminuído gastos com lazer e entretenimento.

SUPERMERCADOS

A pesquisa aponta ainda mais transformações na cesta do brasileiro. De acordo com os dados, nos últimos seis meses, os alimentos em que o brasileiro manteve o mesmo padrão de consumo, sem trocar marcas ou preços, foram: básicos (arroz, feijão e açúcar); higiene e perfumaria; café, além de frutas, legumes e verduras.

Entre os achados, estão:

  • Produtos importados ou gourmet perderam bastante mercado: 78% das pessoas pararam de comprar esses itens ou reduziram o seu consumo;
  • Chocolates também registra queda considerável: 57% das pessoas dizem ter diminuído o consumo em função da crise;
  • Produtos sem glúten, sem lactose, zero açúcar e zero gordura também perdem espaço: 39% afirmam ter reduzido o consumo desses produtos
  • Orgânicos e saudáveis também perdem: 38% diminuíram o seu consumo e não estão dispostos a pagar mais por esses itens;
  • Café é a categoria mais imune à crise: 63% mantiveram o mesmo padrão de consumo; Além disso, 30% dos brasileiros afirmam  não abrir mão de sua marca favorita, independentemente do preço; Já 56% dos entrevistados elegem um grupo de marcas favoritas e faz trocas de acordo com o melhor valor.
  • Arroz, feijão e açúcar também sofrem menos:69% dos entrevistados mantiverem o mesmo padrão de consumo;
  • O mesmo acontece com Higiene e Perfumaria:66% mantiveram o mesmo padrão de consumo nessa categoria.
  • 53%diminuíram o consumo de salgadinhos e 23% pararam de comprar esse tipo de produto;
  • 48%das pessoas reduziram o consumo de bebidas alcoólicas (destilados e vinhos); 23% excluíram alcoólicos da sua cesta;
  • 66%dos entrevistados diminuiu o consumo de cerveja;
  • 51%diminuiu o consumo de congelados como hambúrguer e pratos prontos; 16% parou de comprar essa categoria;
  • 39%reduziram o consumo de produtos sem glúten, sem lactose, zero açúcar e zero gordura;
  • 51%mantiveram o mesmo padrão de consumo de carnes, aves e peixes, contra 39% que diminuíram o consumo nessa categoria.

O estudo identificou ainda que, na hora de decidir suas compras, o brasileiro elege um grupo de marcas preferidas e, dentre elas, escolhe a mais barata:

  • Café56%dos entrevistados elegem um grupo de marcas favoritas e faz trocas de acordo com o melhor valor. Apenas 15% admitem comprar as opções mais baratas;
  • A categoria Cervejas também apresenta maior fidelidade dos brasileiros às suas marcas preferidas: 27%não abrem mão de sua marca favorita; 60% escolhem o melhor preço entre um grupo de marcas preferidas;
  • 25%dizem não abrir mão das suas marcas preferidas na categoria Higiene e Perfumaria;
Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.