4 habilidades que podem garantir seu emprego (ou sua promoção), segundo o CEO da Korn Ferry

0 283

Quem trabalha provavelmente já viu alguém ser promovido “injustamente”. Se João sabe tanto — e entrega tanto — quanto José, ambos deveriam receber um aumento, certo? Nem sempre.

Cada vez mais, as decisões de promoção e também de contratação estão levando em conta outros fatores além da performance ou da expertise técnica. Na avaliação de Gary Burnison, presidente global da consultoria organizacional Korn Ferry, as “habilidades interpessoais” são tão importantes quanto as técnicas na hora de avaliar profissionais e também candidatos a emprego.

“Nossa economia já foi baseada na agricultura; depois, na indústria. Hoje, está baseada em habilidades. O profissional que tiver as habilidades técnicas bem desenvolvidas e souber somá-las às interpessoais não vai ficar sem trabalho”, afirmou o executivo durante um encontro com jornalistas em São Paulo.

Na sua opinião, as principais habilidades interpessoais (ou soft skills) que os profissionais devem desenvolver são as seguintes:

Humildade

“Saber que você não é melhor que ninguém é essencial para crescer aceitando ideias e reconhecendo erros”, diz. Para Burnison, é preciso “manter os pés no chão”;

Curiosidade

Sinônimo do aprendizado constante, segundo o executivo. “O sucesso está entrelaçado com muita vontade de aprender e resolver um problema, e tudo começa com uma observação inicial”;
Confiança e coragem: “Todo profissional precisa acreditar no que está fazendo e ter coragem para assumir alguns riscos e novos aprendizados”.

Aprender com os erros

“O erro faz parte da vida profissional e do sucesso”, afirma. Segundo ele, todo mundo precisa errar para alcançar novos patamares na carreira.

Na avaliação de Burnison, a maioria dos profissionais já está sendo treinada para desenvolver capacidades técnicas, e, por isso, as habilidades interpessoais farão tanta diferença. “Me preocupa a automação no sentido de formarmos muitos profissionais técnicos e esquecermos da importância do ser humano nas atividades. As empresas precisam ficar atentas e os profissionais, preparados”, afirmou.

Talento x estratégia

O executivo acredita que os millennials podem ter uma vantagem nesse sentido. “Os millennials são ‘nômades’ quando se trata de carreira. Ao longo da vida, chegam a ter dezenas de empregadores. Para competir nesse novo mercado, precisam de habilidades diferentes e constante aprendizado e acham isso em diferentes empregos e cargos. Trocam de emprego para aprender coisas novas.”

Seu conselho para os jovens profissionais é “liderar, ouvir e aprender”. “Lidere sua carreira, seja o protagonista; sempre ouça com atenção seus pares, gestores, superiores e quem estiver abaixo de você e aprenda constantemente.”

Isso é importante para os profissionais e também para as companhias. Para Burnison, empresas com talentos tendem a se sair melhor que empresas com estratégia. “Com pessoas talentosas, é possível executar qualquer estratégia, mas uma boa estratégia não pode ser executada se falta talento. No fim as contas, quem ganha o jogo são os jogadores e não o técnico”, disse.

Com uma equipe de cerca de 10 mil pessoas, a Korn Ferry atua em mais de 50 países e, assim, tem contato com perfis diversos de profissionais. Uma maneira de avaliá-los com uma métrica única é analisar seu desempenho. “Nós não olhamos diploma, por onde passou, se tem PhD ou não; avaliamos o potencial e a performance do profissional durante sua carreira.”

Fonte InfoMoney
Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.