iFood – Newtrade https://newtrade.com.br Tue, 12 May 2020 14:43:52 +0000 pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=5.4.1 https://newtrade.com.br/wp-content/uploads/2017/03/favicon-newtrade.png iFood – Newtrade https://newtrade.com.br 32 32 A startup que desafia Ifood e Rappi com delivery para clientes como Fasano https://newtrade.com.br/varejo/a-startup-que-desafia-ifood-e-rappi-com-delivery-para-clientes-como-fasano/ https://newtrade.com.br/varejo/a-startup-que-desafia-ifood-e-rappi-com-delivery-para-clientes-como-fasano/#respond Tue, 12 May 2020 11:18:26 +0000 https://newtrade.com.br/?p=1025423

O volume de pedidos transacionado pela plataforma Delivery Direto cresceu 3,5 vezes, impulsionado pela quarentena imposta pelo novo coronavírus

O post A startup que desafia Ifood e Rappi com delivery para clientes como Fasano apareceu primeiro em Newtrade.

]]>

O empreendedor Allan Panossian trabalha com tecnologia para restaurantes há mais de uma década. Mesmo assim, diz que nunca viu um crescimento na digitalização de empreendimentos e no número de pedidos como agora, com a pandemia do novo coronavírus.

Em 2010, Panossian foi um dos cofundadores do Kekanto, guia online de lugares e serviços. Há cerca de quatro anos, percebeu que o delivery para restaurantes estava começando a se consolidar como tendência. Foi quando criou a Delivery Direto, empresa voltada a criar aplicativos próprios para os restaurantes, como uma alternativa a grandes plataformas como iFood, Uber Eats e Rappi.

No lugar de cobrar uma taxa sobre cada entrega, que pode chegar a até 30%, a empresa cobra uma mensalidade fixa. “Não somos sócios do restaurante para ganhar parte da receita para sempre”, diz o cofundador, hoje presidente da startup. No último mês, o volume de pedidos transacionado pela plataforma cresceu 3,5 vezes.

São 1.800 lojas cadastradas na plataforma, como o restaurante Gero, bistrô do grupo Fasano, um dos mais conhecidos – e caros – restaurantes italianos em São Paulo. Também estão na plataforma o Mineiro Delivery, Armazém da Cerveja, Home Sushi Home, Cabana Burger, Frutaria São Paulo e Empório Frutaria. Muitos restaurantes, principalmente os de alta gastronomia, não viam o delivery como prioridade até então. Com a pandemia, precisaram acelerar sua digitalização.

A empresa também criou um aplicativo para a Cacau Show na Páscoa, para permitir o delivery de mais de 2.300 lojas da rede de franquias em menos de uma semana. “Os franqueados aprenderam a fazer delivery durante a madrugada, de um dia para o outro”, diz Panossian. Para dar conta do crescimento de clientes, o quadro de funcionários da startup cresceu em 57%.

Competição com os gigantes

Panossian não indica que seus clientes saiam das grandes plataformas, que são relevantes para tornar suas marcas conhecidas. Cerca de 60% dos pedidos para os restaurantes vêm de novos clientes, diz.

Mesmo assim, os restaurantes precisam ter controle do relacionamento com os seus clientes, principalmente para conquistar e recompensar os clientes mais fiéis. “O negócio precisa ser dono do canal de comunicação com os clientes. A marca é sua, o relacionamento e a fidelização também precisam ser”, diz Panossian. Entre os serviços da plataforma, está a opção de realizar campanhas de fidelidade e promoções.

O cofundador estima que 25% de todas as transações virtuais dos restaurantes aconteçam por meio de um aplicativo próprio. “Claro, o usuário médio não vai ter dez aplicativos de restaurantes no celular. Mas nosso público é aquele que já é cliente do restaurante e já gosta da marca”, diz Panossian.

Com o aumento do número de restaurantes iniciando operação de delivery, também aumenta a competição por um lugar ao sol, ou no aplicativo. O cliente não irá navegar por centenas de restaurantes até escolher uma opção, diz ele, por isso o aplicativo próprio se torna uma opção para fidelizar o consumidor.

No ano passado, a startup foi adquirida pela Locaweb, líder no setor de hospedagem de sites. A empresa Locaweb surgiu em 1998, ainda antes da bolha das empresas ponto com. O negócio de hospedagem ainda é responsável por 39% do faturamento da companhia, mas para se manter relevante nas últimas duas décadas a empresa ampliou sua atuação.

Hoje oferece 21 serviços para seus mais de 300 mil clientes, de e-mail marketing a suporte para comércio eletrônico e meios de pagamentos. Para chegar aos novos mercados, investiu na aquisição de diversas startups – como é o caso da Delivery Direto.

A Locaweb abriu capital em fevereiro na bolsa e levantou mais de 1 bilhão de reais. Com o crescimento do delivery, comércio eletrônico e digitalização de meios de pagamentos, a empresa, uma das mais antigas da internet brasileira, tem novo impulso para se reinventar.

O post A startup que desafia Ifood e Rappi com delivery para clientes como Fasano apareceu primeiro em Newtrade.

]]>
https://newtrade.com.br/varejo/a-startup-que-desafia-ifood-e-rappi-com-delivery-para-clientes-como-fasano/feed/ 0
iFood e Alelo fecham parceria e anunciam integração para pagamento online https://newtrade.com.br/economia/ifood-e-alelo-fecham-parceria-e-anunciam-integracao-para-pagamento-online/ https://newtrade.com.br/economia/ifood-e-alelo-fecham-parceria-e-anunciam-integracao-para-pagamento-online/#respond Thu, 23 Apr 2020 11:23:06 +0000 https://newtrade.com.br/?p=1025003 iFoods

Parceria permitirá a utilização dos créditos para pagamentos de pedidos realizados na plataforma

O post iFood e Alelo fecham parceria e anunciam integração para pagamento online apareceu primeiro em Newtrade.

]]>
iFoods

A Alelo acaba de fechar parceria com o iFood. A plataforma irá possibilitar a utilização dos créditos do cartão Alelo Refeição para pagamento online de pedidos.

O pagamento online é o primeiro passo para que os usuários iFood possam optar pela “Entrega sem Contato”, na qual combinam diretamente com o restaurante ou entregador, via chat do aplicativo, onde seus pedidos podem ser deixados sem a necessidade de interação física. A medida tem como objetivo proteger a saúde de clientes e entregadores neste momento no qual a sociedade é orientada a evitar o contato pessoal.

A iniciativa já está disponível para estabelecimentos comerciais, como restaurantes, lanchonetes e padarias, da cidade de São Paulo. Em breve a funcionalidade será oferecida também para as demais cidades do país. Para utilizar o benefício, basta acionar no aplicativo do iFood a aba de Método de Pagamento, escolher a nova opção de Vale Refeição e cadastrar o cartão Alelo.

“Trabalhamos, cada vez mais, para apoiar nossos parceiros comerciais e os usuários dos nossos benefícios. Essa parceria com o iFood vem para reforçar nossas ofertas de melhores opções para ajudar no dia a dia de todos”, afirma Márcio Alencar, diretor de Negócios, Inovação e Digital da Alelo.

“A integração entre os cartões Alelo e o iFood é mais uma dentre as diversas iniciativas que estamos adotando neste momento pensando na segurança e conveniência de nossos clientes. Acreditamos ainda que a parceria irá auxiliar muitos dos restaurantes de nossa plataforma, que agora mais do que nunca apostam no delivery como forma de manter seus negócios em operação”, comenta Mauro Piazza, Diretor de Business Development do iFood.

O post iFood e Alelo fecham parceria e anunciam integração para pagamento online apareceu primeiro em Newtrade.

]]>
https://newtrade.com.br/economia/ifood-e-alelo-fecham-parceria-e-anunciam-integracao-para-pagamento-online/feed/ 0
Desembargadora derruba liminar que obrigava iFood a pagar mínimo a entregadores https://newtrade.com.br/varejo/desembargadora-derruba-liminar-que-obrigava-ifood-a-pagar-minimo-a-entregadores/ https://newtrade.com.br/varejo/desembargadora-derruba-liminar-que-obrigava-ifood-a-pagar-minimo-a-entregadores/#respond Thu, 09 Apr 2020 11:03:54 +0000 https://newtrade.com.br/?p=1024742

A liminar previa o pagamento de um auxílio financeiro referente à média dos valores diários pagos aos entregadores nos últimos quinze dias

O post Desembargadora derruba liminar que obrigava iFood a pagar mínimo a entregadores apareceu primeiro em Newtrade.

]]>

A desembargadora Dóris Ribeiro Prina, do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2), derrubou a liminar que obrigava o iFood a pagar ao menos um salário mínimo aos entregadores diagnosticados, sob suspeita ou do grupo de risco do novo coronavírus. A decisão vigorou por apenas dois dias.

Segundo Prina, a relação entre a empresa e seus entregadores não caracteriza relação trabalhista prevista da CLT. “Os colaboradores do iFood podem ou não fazer uso da referida ferramenta, de acordo com seus interesses”, afirmou. “Os entregadores, na verdade, são usuários da plataforma digital, nela se inscrevendo livremente”.

A desembargadora afirma que o caso se trata de atividade econômica compartilhada, o que exigiria a consideração sobre a evolução das relações comerciais e trabalhistas, “não se podendo ficar amarrado a modelos tradicionais”.

A liminar derrubada previa o pagamento de um auxílio financeiro referente à média dos valores diários pagos aos entregadores nos últimos quinze dias imediatamente anteriores à decisão. O valor não poderia ser inferior ao salário mínimo, hoje fixado em R$ 1.045.

O benefício seria concedido aos entregadores que estivessem sob suspeita ou com diagnóstico confirmado de covid-19 e também aqueles que fazem parte do grupo de risco da doença, como idosos e pessoas com doenças crônicas.

A decisão obrigava o iFood a comprar equipamentos de proteção, como álcool em gel para uso diário, e disponibilizar espaços para a higienização de veículos, bags e capacetes.

Fundos

O iFood afirma ter criado dois “fundos solidários” no valor de R$ 2 milhões para atender entregadores afetados pelo novo coronavírus. Um dos fundos (R$ 1 milhão) atenderia colaboradores de grupo de risco que precisem ficar em isolamento. Idosos com mais de 65 anos terão a conta automaticamente inativada da plataforma por 30 dias.

Os demais devem entrar em contato com a empresa para solicitar acesso aos valores do fundo – não é informado uma tabela de valores a ser paga a cada perfil de entregador.

O segundo fundo (R$ 1 milhão) dará auxílio financeiro a colaboradores que precisem ficar em quarentena de 14 dias por diagnóstico confirmado de covid-19. O valor a ser pago será uma média de repasses nos últimos 30 dias, proporcional às duas semanas em que o acesso à conta será inativado.

O post Desembargadora derruba liminar que obrigava iFood a pagar mínimo a entregadores apareceu primeiro em Newtrade.

]]>
https://newtrade.com.br/varejo/desembargadora-derruba-liminar-que-obrigava-ifood-a-pagar-minimo-a-entregadores/feed/ 0
Por coronavírus, Itaú, Rede e iFood antecipam pagamentos para comerciantes https://newtrade.com.br/varejo/por-coronavirus-itau-rede-e-ifood-antecipam-pagamentos-para-comerciantes/ https://newtrade.com.br/varejo/por-coronavirus-itau-rede-e-ifood-antecipam-pagamentos-para-comerciantes/#comments Thu, 02 Apr 2020 10:50:51 +0000 https://newtrade.com.br/?p=1024584

Medida visa mitigar os efeitos da crise sobre o caixa de bares e restaurantes

O post Por coronavírus, Itaú, Rede e iFood antecipam pagamentos para comerciantes apareceu primeiro em Newtrade.

]]>

Para diminuir os impactos da pandemia de coronavírus nos caixas de bares e restaurante, a Rede, braço de maquininhas do Itaú Unibanco, junto com o iFood anunciaram a antecipação de pagamentos para os comerciantes do setor.

O prazo de recebimentos das vendas feitas pelo iFood, antes repassadas em 30 dias, caiu para sete dias, segundo as empresas. O benefício será válido para todos os bares e restaurantes há mais de um mês na plataforma que realizaram vendas a partir de 1º de março. Para usufruir da condição, o lojista vai precisar formalizar seu aceite pelo Portal do Parceiro iFood.

Vendas feitas em março, abril e maio entram na medida, que vai antecipar R$ 2,5 bilhões para os negócios que atuam com alimentação fora de casa.

“Visando à liquidez financeira de milhares de negócios em todo o Brasil, essa antecipação do repasse das vendas vai garantir o fluxo de recursos para os empresários e atenuar os efeitos da queda no faturamento”, diz Marcos Magalhães, presidente da Rede.

Por sua vez, Fabricio Bloisi, Presidente do iFood, afirmou que o momento é de trabalhar para garantir a sustentabilidade da cadeia. “Além da parceria com o Itaú, estamos disponibilizando também um fundo de R$ 50 milhões para auxiliar principalmente os pequenos estabelecimentos; já a taxa cobrada pelo iFood para o serviço ‘Pra Retirar’ será devolvida integralmente aos nossos parceiros”, diz Bloisi.

O post Por coronavírus, Itaú, Rede e iFood antecipam pagamentos para comerciantes apareceu primeiro em Newtrade.

]]>
https://newtrade.com.br/varejo/por-coronavirus-itau-rede-e-ifood-antecipam-pagamentos-para-comerciantes/feed/ 1
Nubank vai pagar compras de iFood e consultas para clientes https://newtrade.com.br/economia/nubank-vai-pagar-compras-de-ifood-e-consultas-para-clientes/ https://newtrade.com.br/economia/nubank-vai-pagar-compras-de-ifood-e-consultas-para-clientes/#respond Wed, 25 Mar 2020 11:03:38 +0000 https://newtrade.com.br/?p=1024383

Fintech criou fundo de 20 milhões de reais e firmou parcerias para ajudar clientes em meio à crise do coronavírus

O post Nubank vai pagar compras de iFood e consultas para clientes apareceu primeiro em Newtrade.

]]>

O banco digital Nubank criou um fundo de 20 milhões de reais para apoiar seus clientes durante a crise do coronavírus. Os recursos vêm da verba de marketing da fintech e de outros ganhos de eficiência e custearão atendimento médico e psicológico remoto via vídeo, pedidos de supermercados e farmácias, entre outros serviços.

Para isso, fechou parcerias com empresas como o Hospital Sírio-Libanês, o aplicativo de atendimento psicológico Zenklub, as empresas de delivery iFood e Rappi, e o aplicativo de produtos de pet shop Zee.Dog.

A iniciativa funciona assim: o cliente entra em contato com o banco, explica sua necessidade, e o Nubank direciona o cliente para um parceiro da iniciativa, na medida do possível.

Segundo o Nubank, sua equipe de atendimento está sendo treinada para ouvir as necessidades dos clientes e buscar formas de auxiliá-los. Os contatos podem ser feitos via telefone, chat e e-mail. As solicitações sobre os produtos do Nubank seguem sendo respondidas normalmente.

O Sírio-Libanês disponibilizou mil atendimentos em sua plataforma de teleorientação médica para os clientes da fintech. O banco vai usar parte da verba do fundo para continuar oferecendo o serviço de forma gratuita, através de vouchers para agendar uma consulta virtual na plataforma do hospital.

A parceria com a plataforma de atendimento psicológico Zenklub funcionará de forma semelhante. De acordo com a situação, a fintech vai disponibilizar vouchers para que seus clientes utilizem uma consulta na plataforma sem custo.

O Zee.Dog vai oferecer 20% de desconto para clientes da fintech na primeira compra pelo app. O Nubank custeará mais atendimentos médicos e itens para os pets, com vouchers de até 100 reais de desconto em compras no app, que funciona apenas nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

Já a parceria com iFood e Rappi funcionará via créditos que poderão ser usados para entregas de comida ou outras compras. O valor da compra e da entrega serão pagos pelo Nubank. A fintech também vai auxiliar clientes que não tenham familiaridade com os aplicativos para que garantir que o pedido seja feito. É possível ter mais informações sobre as parcerias aqui.

A empresa afirma ainda que está adotando medidas para minimizar os impactos do coronavírus na vida financeira de seus clientes. Casos relativos a empréstimo pessoal e pagamento da fatura estão sendo avaliados através dos canais de atendimento.

 

O post Nubank vai pagar compras de iFood e consultas para clientes apareceu primeiro em Newtrade.

]]>
https://newtrade.com.br/economia/nubank-vai-pagar-compras-de-ifood-e-consultas-para-clientes/feed/ 0
Como os apps de delivery de comida vão dominar o mundo https://newtrade.com.br/varejo/como-os-apps-de-delivery-de-comida-vao-dominar-o-mundo/ https://newtrade.com.br/varejo/como-os-apps-de-delivery-de-comida-vao-dominar-o-mundo/#respond Wed, 26 Feb 2020 08:41:31 +0000 https://newtrade.com.br/?p=1023723

Os aplicativos cruzam a fronteira da alimentação e interferem em outras indústrias. O consumo (de qualquer coisa) nunca mais será o mesmo

O post Como os apps de delivery de comida vão dominar o mundo apareceu primeiro em Newtrade.

]]>

O almoço, servido em uma sala de reuniões na sede do iFood, em Osasco, na Grande São Paulo, parece saboroso: caixinhas coloridas do restaurante Coco Bambu trazem camarões ao molho, escondidinho de carne e uma cocada ao forno para a sobremesa. Mas Diego Barreto, CFO do aplicativo responsável pela entrega daquela refeição, não quer comer. “Estou fazendo a dieta do jejum intermitente”, justifica. Sua fome é outra. “Você conhece Campinas?”, ele pergunta, enquanto pega uma caneta e começa a rabiscar em um quadro branco: “Desse lado da rodovia tem um shopping. Do outro lado, tem dois condomínios de alto padrão. Hoje, o entregador precisa seguir até ali na frente, numa estrada com caminhões, fazer o retorno, subir um viaduto, pegar a outra mão da rodovia e passar pela portaria do condomínio. Depois, fazer tudo de novo para voltar”. O rabisco embolado realça aquele nó logístico.

Diego traça então uma linha reta entre a oferta e a demanda: “Tá vendo? É isso que a gente quer fazer. O drone decola daqui e pousa num droneport dentro do condomínio. Em cidades médias, isso vai aumentar a área de atuação dos restaurantes, concentrar o entregador em roteiros mais produtivos e fazer a refeição chegar com menor custo e maior qualidade para o cliente”. Pioneiro e líder isolado do mercado brasileiro de entregas de comida, com 26,6 milhões de entregas em novembro de 2019, o iFood busca novos superlativos em 2020. “Queremos ser a primeira empresa no mundo a operar comercialmente um drone de entregas com permissão das autoridades de aviação civil”, diz Diego. Além de drones, a empresa testa um robô de entregas, semelhante a um carrinho de sorvete sem sorveteiro, para ir das praças de alimentação até um ponto de distribuição adequado aos entregadores. Se tudo der certo, até o fim do ano a empresa terá três drones e três robôs em serviço. “Somos uma das maiores empresas de entrega de comida do mundo e estamos puxando a fronteira dessa tecnologia”, completa Bruno Henriques, vice-presidente de inovação e inteligência artificial do iFood. “No século 18, as pessoas tinham o costume de costurar as próprias roupas, mas hoje isso é inimaginável”, diz Fabricio Bloisi, CEO da empresa. “Daqui a dez anos, as pessoas vão cozinhar por prazer, por hobby, não porque precisam. Será mais fácil, mais rápido, mais barato e melhor pedir comida pelo nosso aplicativo.”

“Com robôs e drones, vamos ganhar eficiência”, diz Bruno Henriques, VP do iFood

O setor de home delivery faturou US$ 192 bilhões em 2018. É pouco, se comparado aos US$ 3 trilhões da indústria de food service (que reúne lanchonetes, bares e restaurantes). Mas a atividade (e o potencial de crescimento) dos apps de comida redesenham a paisagem das grandes cidades, transformam o modo como nos alimentamos e impactam uma vasta gama de negócios. Da Nestlé, a maior empresa de alimentação do planeta, com US$ 24,3 bilhões faturados em 2018, ao pipoqueiro que atende no Cristo Redentor — e passou a sofrer a concorrência de lanches que chegam via aplicativo. Dos supermercados e restaurantes à construção civil. O alcance dos aplicativos é tão grande que o banco de investimentos suíço UBS lançou um documento, cujo título provoca: “A cozinha está morta?”. “Em um mundo com millennials famintos por tempo e desapegados de bens materiais, achamos que o crescimento da entrega online de comida é parte de uma megatendência que não deve ser ignorada”, lê-se no documento.

 

 

|

O post Como os apps de delivery de comida vão dominar o mundo apareceu primeiro em Newtrade.

]]>
https://newtrade.com.br/varejo/como-os-apps-de-delivery-de-comida-vao-dominar-o-mundo/feed/ 0
Ifood realizará entregas de produtos pet em até 1h em parceria com a Zee.now https://newtrade.com.br/varejo/ifood-realizara-entregas-de-produtos-pet-em-ate-1h-em-parceria-com-a-zee-now/ https://newtrade.com.br/varejo/ifood-realizara-entregas-de-produtos-pet-em-ate-1h-em-parceria-com-a-zee-now/#respond Thu, 20 Feb 2020 11:15:53 +0000 https://newtrade.com.br/?p=1023653

A funcionalidade, inicialmente disponível em São Paulo e no Rio de Janeiro, tem como meta realizar a entrega desses produtos em no máximo uma hora.

O post Ifood realizará entregas de produtos pet em até 1h em parceria com a Zee.now apareceu primeiro em Newtrade.

]]>

O Ifood fechou uma nova parceria com a Zee.now, serviço de entregas rápidas da marca Zee.Dog. A partir de agora, é possível encontrar na plataforma da foodtech categorias voltadas para cães e gatos vendendo ração, petiscos e diversos outros itens.

“A parceria com o iFood foi o casamento perfeito para oferecermos aos clientes uma experiência ainda melhor. Vamos ganhar agilidade e conseguir atingir mais pessoas a partir de agora. Muitas vezes não dá para prever quando acaba a ração ou até mesmo o tapete higiênico. Por isso, queremos ser esse parceiro que traz comodidade e qualidade no atendimento”, afirma Thadeu Diz, diretor criativo da Zee.Now.

A funcionalidade, inicialmente disponível em São Paulo e no Rio de Janeiro, tem como meta realizar a entrega desses produtos em no máximo uma hora.

“Hoje em dia, os pets são considerados parte importante das unidades familiares, e não poderíamos deixar de contemplar suas necessidades em nosso aplicativo. Há algum tempo já vínhamos recebendo demanda por esse tipo de produto e agora passaremos a atendê-las”, comenta Lucas Passos, diretor de novos negócios do Ifood.

O post Ifood realizará entregas de produtos pet em até 1h em parceria com a Zee.now apareceu primeiro em Newtrade.

]]>
https://newtrade.com.br/varejo/ifood-realizara-entregas-de-produtos-pet-em-ate-1h-em-parceria-com-a-zee-now/feed/ 0
Saiba como os apps de entrega estão mudando as vendas no varejo https://newtrade.com.br/varejo/saiba-como-os-apps-de-entrega-estao-mudando-as-vendas-no-varejo/ https://newtrade.com.br/varejo/saiba-como-os-apps-de-entrega-estao-mudando-as-vendas-no-varejo/#respond Mon, 03 Feb 2020 11:56:13 +0000 https://newtrade.com.br/?p=1023226

Mercado de compras por conveniência feitas por meio de apps como Rappi e iFood avança exponencialmente no Brasil

O post Saiba como os apps de entrega estão mudando as vendas no varejo apareceu primeiro em Newtrade.

]]>

Faz quatro meses que Bruna Braune, de 32 anos, não vai ao supermercado. A gerente de marketing, que quer ter mais tempo para hobbies como ler, assistir a séries ou cozinhar, faz parte de um crescente grupo de consumidores, a maioria de jovens adultos, que tem chamado a atenção do varejo de alimentos.

Eles são imediatistas e fazem de tudo para não precisar ir às compras na loja física nem esperar muitas horas para receber em casa o produto adquirido no e-commerce tradicional. Compram pequenas quantidades de alimentos, itens de higiene e limpeza por meio de aplicativos de entregas instalados no smartphone, como iFood e Rappi, que conseguem levar as encomendas ao cliente com mais rapidez.

A nova era do varejo

Nos últimos dois anos, turbinado pelo interesse tanto de gigantes, como Carrefour e Grupo Pão de Açúcar (GPA), quanto de varejistas de uma só loja, esse mercado de compras de conveniência feitas por meio de apps de entrega tem avançado exponencialmente, embora ainda represente pouco dentro das vendas totais dos supermercados.

“Registramos crescimento de 100% a cada mês”, diz Diego Barreto, vice-presidente financeiro do iFood, que começou a oferecer entrega de supermercados parceiros no começo do ano passado. A empresa opera com 400 supermercados em 80 cidades e quer chegar a mil lojas em 200 cidades em meados do ano.

No concorrente Rappi, a compra de supermercado é a linha que mais cresce na empresa, depois de refeições. Entre os varejistas, um dos pontos que impulsionam o interesse pela venda por meio dos apps de entrega é a atração de novos consumidores.

No Carrefour, que há dois anos tem parceria nacional com a Rappi, 63% dos clientes do canal e-commerce food não faziam compras na rede, diz Paula Cardoso, CEO do Carrefour e-Business. “A adesão não é só das camadas de maior renda (mais habituadas a compras online), mas também das classes C e D”, ressalta Marcelo Rizzi, diretor do Grupo Big, que testa a parceria com o iFood em uma loja e vai expandir para hipermercados, supermercados e atacarejos.

Supermercados

Eduardo Terra, presidente da Sociedade Brasileira de Varejo, diz que a parceria dos aplicativos e supermercados é um caminho sem volta, pois o smartphone mudou o hábito de compra e as empresas travam uma corrida para estarem mais bem posicionadas do que as rivais nesse novo mercado.

Terra e outros especialistas destacam a oportunidade, mas alertam para o risco estratégico: ao fechar parceria com companhias de delivery, o supermercado pode entregar informações do consumidor para empresas de fora.

Apesar de ser um novo canal, a venda de supermercados por meio de aplicativos de entrega avança rapidamente e já chega a representar entre 5% e 10% da receita de algumas lojas, diz o presidente da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo, Eduardo Terra.

Diante desse potencial, apontam especialistas, fica difícil para os varejistas evitarem as parcerias com os apps de delivery, mesmo tendo de repassar para um terceiro, a depender da forma como os contratos são negociados, o coração do seu negócio: as informações de clientes.

Os dados são uma espécie de “arma secreta do varejo”. Com acesso a eles, muitas vezes por meio de programas de fidelidade, os varejistas conseguem estudar o comportamento do cliente, suas preferências, frequência de compra, formas de pagamento, além de reter informações pessoais, o que permite às redes se comunicarem diretamente com o consumidor.”

Essa questão da posse dos dados do cliente é fundamental”, reforça o economista da Associação Paulista de Supermercados (Apas), Thiago Berka. A Rappi informa operar com dois tipos de contrato: um que permite o acesso aos dados da compra pelo varejista e outro em que isso não é autorizado.

Já o iFood informa não compartilhar informações dos clientes com os supermercados para os quais faz as entregas. Há um ano trabalhando em parceria com a Rappi, Paula Cardoso, presidente do Carrefour e-Business, faz questão de ter acesso às informações. “Tenho acesso a quem comprou e o que comprou.”

No Grupo Big, que testa uma parceria com o iFood, a história se repete. “Negociamos o compartilhamento de dados, isso é bem costurado”, diz o diretor de planejamento estratégico, Marcelo Rizzi. A chave desse negócio é no futuro fazer ofertas personalizadas, acrescenta.

Para não dividir os dados de clientes com terceiros, o Grupo Pão de Açúcar (GPA), que trabalhava com a Rappi, comprou em 2018 uma empresa para fazer as suas entregas, a startup James Delivery, de Curitiba. “Queríamos ter o controle total da experiência do consumidor”, afirma Lucas Ceschin, cofundador da startup, que comanda a operação do GPA.

Duopólio

Como apenas duas empresas dividem o mercado de entregas rápidas em grande escala, Berka, da Apas, adverte sobre a relevância que essas companhias ganham na hora de fechar as negociações com os supermercados. Segundo o economista, há risco de se repetir o que houve no passado, quando duas empresas administravam as maquininhas de cartão de crédito e determinavam as taxas cobradas para os lojistas.

Tanto iFood e Rappi como os supermercados não revelam as taxas cobradas para incluir os produtos nos aplicativos de entregas, mas o Estado apurou que elas podem variar entre 8% e 12% sobre o valor da venda.

‘Nova fronteira’

As vendas de alimentos, bebidas e produtos de higiene e limpeza e os aplicativos de entrega são as novas frentes de crescimento do comércio online. “Os aplicativos têm efeito multiplicador e eles estão ajudando a popularizar o e-commerce”, afirma Carlos Coutinho, sócio da consultoria PwC Brasil.

Quando o consumidor tem uma experiência boa num aplicativo de entrega, por exemplo, ele aprende a usá-lo e passa a fazer compras por esse meio também, argumenta o consultor. Esse aprendizado explica, em boa parte, porque é crescente o fechamento do número de parcerias entre aplicativos de entregas, como iFood e Rappi, e os supermercados.

“O alimento agora é uma fronteira a ser explorada no varejo online, toda a parte de vendas de não alimentos por esse canal se desenvolveu mais rápido”, afirma a CEO do Carrefour e-Business, Paula Cardoso. Ela acredita que o potencial de crescimento de vendas de alimentos é muito grande, apesar de hoje representar muito pouco das vendas do e-commerce.

Da receita do varejo online, os itens de supermercado responderam por 2,5% no acumulado em 12 meses até outubro de 2019, segundo a consultoria Ebit-Nielsen.Pesquisa da Kantar, especializada em auditar o consumo nos domicílios, mostra que as vendas de alimentos e produtos de higiene e limpeza cresceram no Brasil quase seis vezes mais no varejo online comparado com o avanço registrado nas vendas que englobam lojas físicas e virtuais para esses produtos. O período analisado foi julho de 2018 a junho de 2019.

O post Saiba como os apps de entrega estão mudando as vendas no varejo apareceu primeiro em Newtrade.

]]>
https://newtrade.com.br/varejo/saiba-como-os-apps-de-entrega-estao-mudando-as-vendas-no-varejo/feed/ 0
iFood vai ampliar parceria com supermercados em 2020 https://newtrade.com.br/varejo/ifood-vai-ampliar-parceria-com-supermercados-em-2020/ https://newtrade.com.br/varejo/ifood-vai-ampliar-parceria-com-supermercados-em-2020/#respond Thu, 19 Dec 2019 12:41:20 +0000 https://newtrade.com.br/?p=1022172

A empresa pretende elevar a base atual de supermercados atendidos de 200 para 1 mil estabelecimentos

O post iFood vai ampliar parceria com supermercados em 2020 apareceu primeiro em Newtrade.

]]>

O aplicativo de delivery de refeições iFood vai ampliar seu serviço de entrega de produtos de supermercado em 2020, área em que começou a operar em junho deste ano. Controlada pela brasileira Movile, a empresa vai elevar o número de parcerias com supermercados para cerca de 1 mil estabelecimentos até o final do primeiro semestre do ano que vem, disse ontem o diretor financeiro do iFood, Diego Barreto.

Hoje, a empresa utiliza uma rede de 200 supermercados, espalhados por 80 cidades do País. A operação com supermercados atraiu nesta semana a rede varejista BIG, anteriormente conhecida como Walmart Brasil, e deve incluir novas bandeiras nos próximos meses, além de supermercados regionais, disse o executivo. “Esperamos redes de capilaridade nacional entrando no serviço nos próximos meses, assim como captação natural de supermercados regionais, que possuem uma estrutura de venda online menor e esperam complementar suas ofertas com a gente.”

Com a iniciativa, a empresa amplia sua rivalidade com a colombiana Rappi, que também possui serviço de entregas de refeições e de produtos de supermercados. Outro competidor no novo setor é o James, startup que pertence ao Grupo Pão de Açúcar.

Fundada em 2011, a empresa é considerada um dos unicórnios brasileiros – startup avaliada acima de US$ 1 bilhão – desde que, em novembro passado, recebeu um aporte de US$ 500 milhões dos fundos Naspers e Innova Capital. Além da abertura da operação com supermercados, os recursos estão sendo utilizados pela empresa para o desenvolvimento de serviços de gestão de restaurantes e de inteligência artificial. Também há iniciativas para criar novos modos de transporte para as entregas, que incluem drones, patinetes e robôs.

“Não estamos atirando para todos os lados. Nosso foco é na cadeia de valor de alimentação. A empresa tem compromisso com crescimento sustentável e temos cumprido o que estava previsto em nosso plano de negócios”, disse Barreto, sem mencionar números financeiros da companhia.

Crescimento

Enquanto isso, para enfrentar os novos nomes no mercado de entrega de refeições, o iFood tem focado em ampliar vínculos com entregadores e restaurantes, oferecendo seguro para 100% dos 83 mil entregadores cadastrados em sua plataforma no país, disse Barreto. Uma das iniciativas recentes foi oferta em novembro de descontos para abastecimento de combustível dos veículos dos entregadores em postos de rede parceira da empresa.

“Naturalmente, tem mais competição. Mas a empresa apresentou forte crescimento nos últimos anos. Apesar da competição, temos feito um trabalho sustentável”, disse.

Nesta sexta-feira, 13, o iFood também anunciou novos números de sua operação. Em novembro, o número de pedidos entregues pela empresa no Brasil chegou a 26,6 milhões – alta de 116% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Em setembro, último dado divulgado pela startup, foram entregues 21,5 milhões de refeições. O número de cidades com serviços do iFood também cresceu em novembro no País para 912 ante 459 do ano anterior. A base de restaurantes também disparou de 52 mil para 131,3 mil no período.

“Não imaginamos motivo para o mercado não apresentar a mesma velocidade de crescimento deste ano.”

Apesar do salto nas operações e do avanço dos rivais sobre seu mercado, Barreto afirmou que a companhia não trabalha com a possibilidade de uma eventual oferta inicial de ações (IPO), aproveitando o bom momento da bolsa brasileira, uma vez que conta com sua própria geração de caixa e com o aporte recebido no ano passado. “Isso será suficiente para os planos de crescimento da empresa nos próximos anos”, afirmou o executivo.

O post iFood vai ampliar parceria com supermercados em 2020 apareceu primeiro em Newtrade.

]]>
https://newtrade.com.br/varejo/ifood-vai-ampliar-parceria-com-supermercados-em-2020/feed/ 0
iFood chega a 26,6 milhões de pedidos no mês de novembro https://newtrade.com.br/varejo/ifood-chega-a-266-milhoes-de-pedidos-no-mes-de-novembro/ https://newtrade.com.br/varejo/ifood-chega-a-266-milhoes-de-pedidos-no-mes-de-novembro/#respond Tue, 17 Dec 2019 12:16:30 +0000 https://newtrade.com.br/?p=1022105 iFoods

Mês de promoções e capilaridade nacional impulsionaram o recorde de pedidos da foodtech

O post iFood chega a 26,6 milhões de pedidos no mês de novembro apareceu primeiro em Newtrade.

]]>
iFoods

O iFood fechou o mês de novembro com o aumento de 116% no número de pedidos em comparação com o mesmo período no ano anterior, apresentando um avanço de 12.3M em novembro de 2018 para 26.6M em novembro 2019. A empresa segue com sua estratégia de expansão, ampliando a quantidade de cidades atendidas de 459 para 912, uma alta de 98% em um ano. Em relação a operação logística, dentro do modelo full service, ou seja, em que se usa a eficiência logística da empresa, houve um aumento de 563% no crescimento de pedidos com um salto de 980 mil (nov 2018) para 6,5 milhões de pedidos (nov 2019). O avanço também aconteceu na base de restaurantes parceiros, que saíram de 52 mil para 131,3 mil, um crescimento de 151%. Os resultados reforçam a confiança e maturidade da foodtech como fomentadora da economia compartilhada e contribuição a todo um ecossistema.

“Nosso foco é agregar a cadeia de valor ao universo da alimentação. Por isso, a empresa está cada vez mais comprometida com o crescimento sustentável de todas as pontas. O movimento de aumento de pedidos em 116% nesse período, na plataforma, consolida um modelo de negócio que impacta positivamente a todo o ecossistema – restaurantes, que conseguem crescer até 50% nos primeiros meses quando entram no aplicativo, com a impulsão ao empreendedorismo e geração de emprego e renda” reforça Diego Barreto, CFO do iFood.

Ranking dos mais pedidos

Não só de hambúrguer e pizza vive o movimento de uma food delivery. No mês de novembro, o iFood registrou um aumento significativo na categoria de comida saudável. O consumo de saladas, por exemplo, alcançou mais de 2,5 milhões de pedidos. São Paulo e Rio de Janeiro puxam o hábito saudável no ranking das cidades, que inclui ainda Belo Horizonte e Brasília.

“Com presença do iFood em quase mil cidades e o uso de inteligência artificial focada em alimentação, há também o avanço no entendimento de perfil e hábitos de consumo do brasileiro e, consequentemente, conseguimos personalizar cada vez mais a experiência do usuário na plataforma”, completa Diego.

O post iFood chega a 26,6 milhões de pedidos no mês de novembro apareceu primeiro em Newtrade.

]]>
https://newtrade.com.br/varejo/ifood-chega-a-266-milhoes-de-pedidos-no-mes-de-novembro/feed/ 0